terça-feira, 15 de Abril de 2014

Cestinhos de massa filo com salmão fumado e ervilhas

Uma entrada deliciosa, fácil de fazer, e que faz um vistaço? Experimentem estes cestinhos de massa filo! O recheio de salmão e ervilhas casa-se maravilhosamente com a mostarda e o estragão e o crocante da massa filo acabada de sair do forno faz o resto do milagre.




Ingredientes:

4 folhas de massa filo
100 g de salmão fumado
120 g de ervilhas cozidas
1 colher de chá de mostarda
1/4 de colher de chá de estragão fresco
1 ovo grande
200 ml de "nata" de arroz
Sal
Pimenta


Bater o ovo ligeiramente. Adicionar a "nata" de arroz, a mostarda e o estragão e misturar bem. Temperar com pimenta e uma pitada de sal.

Picar o salmão em cubinhos. Acrescentar ao creme, juntamente com as ervilhas.

Forrar 9 formas de muffin com um quadrado de papel vegetal e pincelar com azeite.

Abrir as folhas de massa filo e cortar cada folha em 9 quadrados. Colocar duas folhas numa das formas, forrando bem o interior, e pincelar com azeite. Colocar mais duas folhas e voltar a pincelar. Repetir para todas as formas.

Dividir o creme pelas forminhas. Levar ao forno a 200º durante 25 minutos.

Servir imediatamente.


segunda-feira, 14 de Abril de 2014

Rolinhos de couve recheados com feijão vermelho

Uma receita vinda do Fat Free Vegan fez o nosso saudável e saboroso almoço de sábado, acompanhado com uma salada verde.


Ingredientes:


135 g de arroz cozido
10 folhas de couve
325 g de feijão vermelho cozido
1 cebola grande
5 dentes de alho
75 g de pimento verde
95 g de aipo
4 tomates
1 malagueta
1/2 colher de chá de tomilho fresco
1 colher de chá de pimentão doce
Sal
Pimenta


Picar a cebola, o pimento e o aipo. Refogar em azeite. Quando a cebola estiver dourada, adicionar o tomate em cubos, a malagueta sem sementes e o alho laminado.

Deixar cozinhar em lume médio durante 5 minutos, depois baixar para lume brando e deixar cozinhar mais 15. Temperar com sal e pimenta.

Passar as folhas de couve duas a duas numa panela de água a ferver, para amolecerem. Reservar.

Juntar o arroz cozido, o feijão, o tomilho e o pimentão doce numa taça grande. Adicionar metade do refogado e envolver. Rechear as folhas de couve e dispô-las lado a lado numa forma quadrada.

Por cima, distribuir a outra metade do refogado. Levar ao forno a 200º durante 30 minutos.



E o interior dos rolinhos!

domingo, 13 de Abril de 2014

Folhado de legumes com chouriço

A massa filo é um ingrediente que apreciamos muito cá em casa, porque é estaladiça e crocante, mas ao mesmo tempo leve e menos calórica do que, por exemplo, a massa folhada. Neste caso, optei por recheá-la com ingredientes bem portugueses, como o chouriço, e juntar alguns temperos mediterrâneos, para criar este prato que é verdadeiramente delicioso.

Esta receita foi inspirada neste burek do Hoje para Jantar. O burek é uma espécie de lasanha feita com massa filo, proveniente do médio oriente; mas os sabores são bem diferentes deste meu folhado, e também a apresentação é outra. De qualquer modo, não queria deixar de apontar aqui a minha inspiração, porque o Hoje para Jantar é um blogue que sigo com atenção e que traz sempre propostas bem interessantes!




Ingredientes:

6 folhas de massa filo
70 g de chouriço
1 cebola
2 dentes de alho
1/2 alho francês (a parte verde)
1 cenoura
60 g de aipo picado
1 folha de louro
1/4 colher de chá de manjericão seco
1/4 colher de chá de oregãos
120 ml de nata de soja
1 ovo
2 colheres de sopa bem cheias de coentros picados
Sal
Pimenta
Noz moscada
Azeite


Picar a cebola e o alho. Cortar o chouriço em cubinhos.

Refogar a cebola, o alho, o chouriço e o aipo num fio de azeite, juntamente com a folha de louro. Quando a cebola estiver dourada, adicionar a cenoura em cubinhos e o alho francês cortado às rodelas finas.

Baixar para lume brando, tapar e deixar cozinhar. Quando os legumes estiverem todos cozidos, tirar do lume e temperar com manjericão, oregãos, sal e pimenta. Reservar.

Numa taça, bater o ovo com a nata de soja. Adicionar os coentros e temperar com sal, pimenta e uma pitada de noz moscada.

Untar um tabuleiro de ir ao forno com azeite. Colocar uma folha de massa filo, deixando o excedente cair para um dos lados do tabuleiro; por cima, colocar a segunda folha, deixando o excedente cair para o lado contrário. Pincelar com azeite.

Por cima, dispor um terço do creme e por cima, um terço da mistura de legumes.

Cobrir com uma folha de massa filo, deixando o excedente cair para um dos lados do tabuleiro; por cima, colocar a segunda folha, deixando o excedente cair para o lado contrário. Pincelar com azeite e dispor um terço do creme e dos legumes.

Repetir a operação para as duas últimas folhas e para o resto do recheio.

Fechar com o excedente de massa filo que ficou num dos lados. Fechar por cima as laterais. Com cuidado, enrolar sobre si próprio, de modo a formar um folhado.

Levar ao forno a 200º durante 25 minutos.

quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Crinkles de gengibre e mel de cana

Não são as primeiras bolachas de gengibre e mel de cana que publico no blogue; mas estas são especiais, porque são a minha resposta ao desafio da Manuela do Cravo e Canela. Na nova temporada do Vamos Fazer Bolachas!, o primeiro desafio foram as crinkles.

Queria fazer umas crinkles diferentes e encontrei estas no site Chow. Com algumas adaptações, aqui estão elas!



Ingredientes:

130 g de farinha de trigo integral
140 g de farinha de trigo branca
1 colher de chá bem cheia de gengibre em pó
1/4 colher de chá de canela
1 colher de chá de fermento
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
95 g de açúcar amarelo
1 ovo grande
130 ml de óleo de amendoim
60 ml de mel de cana
1 1/2 colheres de sopa de açúcar em pó


Juntar as farinhas, as especiarias, o bicarbonato, o fermento e o sal. Envolver bem.

Noutra taça, bater o ovo com o açúcar e o óleo. Adicionar o mel de cana e misturar bem.

Juntar as duas misturas e envolver com uma colher de pau. Quando obtiver uma mistura homogénea, tapar com uma película aderente e deixar no frigorífico durante a noite.

Fazer bolinhas com a massa (rende cerca de 50 bolachas).

Colocar o açúcar em pó num prato de sopa. Passar um dos lados das bolinhas pelo açúcar, pressionando ligeiramente para o açúcar aderir.

Dispor as bolinhas, com a parte açucarada para cima, em tabuleiros forrados com papel vegetal.

Levar um dos tabuleiros ao forno a 200º durante 9 minutos. Retirar e colocar o segundo tabuleiro.

Deixar arrefecer.

quarta-feira, 9 de Abril de 2014

Frango à moda de Cochim

Esta receita vem da página de receitas de New York Times. A mistura de especiarias chamou-me logo a atenção porque adoro comida indiana; e ao mesmo tempo pareceu-me uma receita bastante original, devido ao molho verde, à base de coentros e hortelã, que é acrescentado à carne no final. Fica uma delícia!





Ingredientes:

650 g de peito de frango
1 cebola
2 tomates
2 colheres de chá de vinagre de cidra
3 folhas de caril
5 dentes de alho
10 g de gengibre fresco
35 g de coentros frescos
15 g de folhas de hortelã fresca
1 colher de sopa de óleo de amendoim

Mistura de especiarias

3 paus de cravinho
1 estrela de aniz
1 malagueta seca
2 vagens de cardamomo
1 colher de sopa de sementes de coentros moídas
1/2 colher de chá de canela
1/2 colher de chá de cominhos
1/4 colher de chá de pimenta branca
1/4 colher de chá de noz moscada
1/4 colher de chá de cúrcuma
1/2 colher de chá de sal grosso


Cortar o peito de frango em cubos.

No almofariz, moer os cravinhos, as sementes de cardamomo e o aniz. Abrir a malagueta, descartar as sementes, e picar em pedacinhos.

Juntar todas as especiarias numa taça. Adicionar a carne e misturar bem com as mãos. Tapar a taça com um saco de plástico e levar ao frigorífico por duas horas ou de um dia para o outro.

Picar finamente a cebola e dois dentes de alho. Refogar numa colher de sopa de óleo de amendoim até dourar.

Juntar o tomate cortado aos cubos e o vinagre de cidra. Baixar para lume brando e deixar cozinhar durante 10 minutos.

Levantar de novo para lume médio e adicionar a carne, mexendo até corar. Baixar para lume brando, tapar e deixar cozinhar durante 12 minutos.

No liquidificador, juntar os coentros (folhas e talos), a hortelã (apenas as folhas), o gengibre e três dentes de alho. Acrescentar 100 ml de água e triturar bem.

Juntar à panela e deixar fervilhar durante mais 5 minutos.

Servir com arroz basmati.


segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Cavala com limão e legumes

Esta receita com cavala veio, curiosamente, do site do Pingo Doce. Eu, que gosto pouco de fazer publicidade a marcas aqui no blogue, desta vez vejo-me obrigada a citar a minha fonte, porque de facto esta receita vale mesmo a pena! Fiz-lhe algumas alterações e ficou um prato muito saboroso.




Ingredientes:

1,2 kg de lombos de cavala
2 cebolas
5 dente de alho
4 batatas
4 cenouras
4 tomates
1 curgete
2 limões
1/2 copo de vinho branco
1 1/2 colher de sopa de endro
Sal
Pimenta
Azeite


Picar a cebola e os alhos. Refogar em azeite.

Quando a cebola estiver dourada, juntar a cenoura em rodelas e a batata em cubinhos. Baixar o lume, tapar e deixar cozinhar durante 15 minutos.

Entretanto, dar um corte em forma de cruz na base dos tomates. Colocá-los num recipiente e verter água a ferver por cima, até cobrir; tapar e deixar repousar durante alguns minutos.

Escorrer a água, passar por água fria e voltar a escorrer. Pelar o tomate e cortar em cubos. Cortar também a curgete em cubos e juntar ambos à panela. Misturar.

Por cima, colocar os lombos de cavala. Temperar com sal, pimenta e endro. Regar com o vinho e meio copo de água.

Por cima, dispor os limões cortados em rodelas finas. Tapar e deixar cozinhar em lume brando durante 30 minutos.

Retirar as rodelas de limão, retificar os temperos e polvilhar com um pouco mais de endro.

Servir com fatias de pão.



sábado, 5 de Abril de 2014

Magret de pato com couve roxa estufada

A couve roxa é um vegetal muito usado na cozinha dinamarquesa - aparece em saladas, nas sanduíches abertas (smØrrebrØd) e num estufado que serve de acompanhamento a carnes, estando sempre presente na mesa de Natal.

Não podia deixar de apresentar esta receita tão típica, que faz uma combinação perfeita com o peito de pato. A receita foi adaptada do site Danishnet.





Ingredientes:

2 peitos de pato pequenos (ou um grande, cortado ao meio)
300 g de couve roxa
2 cebolas
1 laranja pequena
1 1/2 maçãs pequenas
300 ml de caldo de galinha
4 ameixas secas
2 colheres de sopa de vinagre balsâmico
1 colher de sopa de tomilho fresco
1 colher de chá de farinha de trigo integral (ou de milho, para uma versão sem glúten)
50 ml de nata de soja
Azeite
Sal
Pimenta


Cortar a couve roxa em juliana fina. Descascar a laranja e fatiar. Cortar a maçã aos cubos, mantendo a casca. Descaroçar as ameixas. Picar a cebola.

Numa panela, aquecer um fio de azeite. Adicionar a cebola, refogando alguns minutos. Quando a cebola estiver dourada, juntar a couve, as frutas e o vinagre. Deixar cozinhar em lume brando, mexendo de vez em quando, durante 10 minutos.

Passar para um pirex de ir ao forno, salpicar com tomilho, sal e pimenta e verter por cima o caldo de galinha. Levar ao forno a 200º durante 40 minutos, mexendo de dez em dez minutos.

Dar alguns cortes transversais na pele do pato. Colocar a carne (com a pele para cima) numa grelha e salpicar com sal e pimenta.

Colocar a grelha por cima do pirex com a couve e deixar grelhar a carne até dourar a pele (cerca de 10 minutos). Virar e dourar do outro lado. Reservar, mantendo quente.

Escorrer o caldo da couve para uma panela, levando a lume médio. Reservar os legumes, mantendo-os quentes.

Quando o caldo começar a ferver, juntar a farinha, mexendo sempre até espessar. Adicionar a nata de soja e mexer bem até começar a fervilhar. Retirar do lume e retificar os temperos se necessário.

Fatiar o peito de pato e empratar. Ao lado, colocar uma dose abundante do estufado. Por cima, verter o molho e servir imediatamente.

domingo, 30 de Março de 2014

Tarte de avelã, chocolate e bolacha

Quem não gosta da associação da avelã com o chocolate? Cá em casa é um must, e adoramos ter no frigorífico o creme vegan de avelãs com cacau (receita do Nem Acredito que é Saudável). Para variar, desta vez usei estes dois sabores numa tarte decadente, usando a base para tartes do La Cuisine d'Anna et Olivia.

Para dar um toque crocante (que tão bem resultou no Bolo chiffon de cacau recheado com musse de chocolate e bolacha), acrescentei ao chocolate do recheio as bolachas Maria caseiras, desfeitas em pedaços.




Ingredientes:

Base

150 g de farinha de trigo integral
100 g de miolo de avelãs
1 colher de chá de fermento
1 pitada de sal
1 colher de sopa de açúcar amarelo
80 ml de óleo de linhaça
100 ml de água quente

Recheio

250 g de chocolate preto (sem lactose)
100 g de bolacha tipo Maria
200 ml de nata de soja
50 ml de leite de soja
1 colher de sopa de óleo de linhaça
1 colher de sopa de açúcar amarelo


Começar por fazer a base, triturando as avelãs no liquidificador.

Misturar todos os ingredientes secos - as avelãs em pó, a farinha, o sal, o fermento e o açúcar. Abrir uma cova no meio.

Verter os líquidos e misturar bem. Tapar com película aderente e guardar no frigorífico durante 30 minutos.

Após esse tempo, esticar a massa com as mãos, cobrindo o fundo e os lados da tarteira. Cobrir com papel vegetal e feijões secos. Levar ao forno a 200º durante 25 minutos.

Entretanto, derreter o chocolate em banho-maria, juntamente com óleo de linhaça. Deixar derreter o chocolate sem mexer e verter por cima o leite de soja a ferver. Deixar repousar alguns minutos.

Adicionar então a nata de soja e o açúcar amarelo e mexer bem. Desfazer as bolachas em pedaços pequenos e juntar.

Verter o recheio na base da tarte. Tapar com papel de alumínio e levar ao frigorífico pelo menos 4 horas ou de um dia para o outro.






sexta-feira, 28 de Março de 2014

Salada de cevada com frango, legumes e goji

Mais uma receita de inspiração dinamarquesa, em que a cevada faz a base de uma salada saborosa e saudável. Foi a minha última refeição em Copenhaga e escrevi todos os ingredientes, para não me esquecer de nenhum quando quisesse replicar a receita.

É uma excelente forma de aproveitar restos de frango cozinhado e pode ser usada como entrada ou como prato principal. Neste caso, utilizei um resto do frango com endro, mas qualquer outra receita de frango pode funcionar, inclusivamente restos do nosso tradicional frango assado.

Para além disso, é uma receita bem saudável, com a qual participo no desafio do primeiro aniversário do Prazeres Saudáveis.





Ingredientes:

285 g de cevada cozida
100 g de restos de frango assado
40 g de pimento verde
75 g de tomate cereja
50 g de aipo
4 azeitonas verdes
20 g de bagas goji 
2 colheres de sopa de salsa picada
1 colher de sopa de menta picada
Sal
Pimenta
Azeite


Demolhar as bagas goji em água a ferver durante 30 segundos. Escorrer e colocar numa taça de vidro, juntamente com a cevada e a salsa e a menta picadas.

Cortar o frango em cubinhos pequenos, bem como o pimento e o aipo. Juntar à cevada.

Descaroçar as azeitonas e lavar em duas ou três águas, para retirar o excesso de sal. Picar e juntar à salada.

Cortar o tomate cereja em quartos e adicionar. Temperar com sal e pimenta a gosto. Finalizar com um fio de azeite.

Misturar bem e servir.

quinta-feira, 27 de Março de 2014

Torricados com cavala em molho de azeitonas e limão

No dia 22 de março, fui ao Mercado 31 de Janeiro, em Lisboa, pelas 10 horas da manhã para participar numa aula de culinária gratuita. "Cozinhar com cavala, o melhor do nosso mar" era o título do evento, conduzido pela Chef Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar.

Quando me inscrevi através da Junta de Freguesia de Arroios, promotora do evento, e dado que era uma aula gratuita, imaginei que a assistência ficasse apenas a observar a confeção das receitas. Nada disso! A Docapesca chegou-se à frente e forneceu os peixes: umas senhoras cavalas - as verdadeiras cavalonas -, com cerca de dois quilos, que amanhámos, limpámos, cortámos em lombos.

A seguir, observámos e participámos na confeção de duas receitas - canapés de cavala em conserva sobre cama de pasta de azeitonas; e filetes de cavala em molho de limão e alcaparras com arroz carolino com leite de coco.

A cavala (conhecido em inglês como mackerel e em francês maquereau) é um peixe rico em óleos essenciais - como o ómega 3 e o ómega 6 -, vitaminas A, B, C, D e E, antioxidantes  e minerais como o cálcio, o ferro, o magnésio, o fósforo e o potássio.

Para além de todos os benefícios que tem para a saúde, apregoa ainda outras importantes vantagens - é uma espécie abundante, que não está ameaçada de extinção como outras que continuamos a comer, vive feliz nas águas portuguesas e é muito barata.

Cereja no topo do bolo - não tem escamas! O que torna o processo de amanhar o peixe muito mais fácil.

Foi um evento bem passado, em que até participou o ator Paulo Pires (as velhotas do mercado ficaram aos pulos!), e numa hora tinha aprendido algumas coisas novas, que me fizeram chegar a casa e confecionar esta entrada.

Para uma versão mais completa deste texto, vejam este post do Portugalize Me.




Ingredientes:

5 fatias de pão de abóbora com sementes
5 lombos de cavala
10 azeitonas verdes
Sumo de um limão grande
80 ml de vinho branco
2 colheres de sopa de farinha de milho
Sal
Pimenta
Azeite


Descaroçar as azeitonas e passar por água duas ou três vezes, para retirar o excesso de sal. Picar em pedacinhos bem pequenos.

Temperar os lombos de cavala com sal e pimenta. Deixar repousar 30 minutos.

Colocar a farinha de milho num prato e passar os lombos, cobrindo completamente o peixe com a farinha.

Aquecer um fundo generoso de azeite numa frigideira pequena. Quando o azeite estiver bem quente, colocar os lombos e deixar dourar de um lado. Quando virar os lombos, acrescentar as azeitonas picadas e o sumo do limão.

Deixar dourar do outro lado. Voltar a virar uma vez de cada lado, retirar - a cavala coze muito rápido,  todo o processo dura cerca de 6 minutos - e deixar escorrer sobre papel absorvente.

Entretanto, juntar à frigideira o vinho branco e deixar reduzir em fogo médio-alto, mexendo de vez em quando. Quando o líquido tiver reduzido para metade, retirar do lume e pincelar as fatias de pão com este molho.

Colocar um lombo de cavala em cima de cada fatia de pão; por cima, verter uma colher de sopa de molho, procurando apanhar as azeitonas.

quarta-feira, 26 de Março de 2014

Semlor ou pães doces recheados

O desafio do Bake The World para o mês de março foi este - os semla (no singular) ou semlor (no plural), pãezinhos doces suecos que tradicionalmente se comiam na terça feira de carnaval, antes de começar o jejum da quaresma.

Não podia deixar de participar, porque adoro receitas diferentes, porque ando fascinada com a cozinha escandinava, e ainda por cima, como bónus, participo com esta receita no sorteio do livro Pan Casero, de Ibán Yarsa (que confesso que adorava ganhar!).

Usei como referência a receita do site Sweden, que não só fornece as indicações necessárias, como dá informações interessantes acerca deste pão, que se encontra por todo o lado na Suécia. Entretanto, deixou de ser comido apenas na terça feira gorda, para passar a ser comido como se não houvesse amanhã. É, para os suecos, o acompanhamento habitual do café durante o inverno (pelo que percebi, podemos dizer que é o equivalente ao nosso pastel de nata).

Claro que tive que fazer algumas adaptações, para fazer semlor sem lactose, e como de costume usei uma parte de farinha integral, o que lhes deu uma consistência deliciosa.





Noite do primeiro dia:

40 g de isco de trigo integral
80 g de farinha de trigo branca
80 g de água tépida


Misturar tudo numa taça de vidro e tapar com um saco de plástico. Deixar repousar à temperatura ambiente durante 12 horas.


Manhã do segundo dia:

Mistura do dia anterior
50 ml de óleo de linhaça biológico
150 ml de leite de soja
3 vagens de cardamomo castanho
Raspa de uma laranja pequena
250 g de farinha de trigo branca
50 g de farinha de trigo integral
45 g de açúcar branco
Uma pitada de sal


Abrir as vagens dos cardamomos, retirar as sementes e esmagar no almofariz.

Juntar as farinhas, o cardamomo, a raspa de laranja, o sal e o açúcar. Envolver bem e abrir uma cova no meio.

Aquecer ligeiramente o leite de soja. Adicionar à mistura do dia anterior, juntamente com o óleo de linhaça. Misturar bem e verter na cova aberta na farinha.

Cobrir o líquido com a farinha que fica nas margens, tapar com o saco de plástico e deixar repousar alguns minutos.

Bater na batedeira profissional à velocidade 2 durante 8 minutos.

Lavar a taça usada no dia anterior e untar com óleo de linhaça. Colocar aí a massa, dando-lhe uma volta sobre si mesma para ficar coberta de óleo. Tapar com o saco de plástico e deixar repousar 3 horas.

Ao fim dessas horas, dividir a massa em 10 bolinhas. Colocar em tabuleiros forrados com papel vegetal.

Tapar com um pano húmido e deixar repousar mais 3 horas e meia.


Tarde do segundo dia:

1 ovo
60 g de miolo de amêndoa sem pele
1/2 colher de chá de sumo de limão
60 ml de leite de soja
1 colher de sopa de açúcar em pó
100 g de chantilly de coco


Aquecer o forno a 250º. Bater o ovo e pincelar os pães.

Colocar os pãezinhos na parte inferior do forno e deixar cozer durante 10 minutos. Colocar na parte superior e deixar cozer mais 2 minutos.

Retirar do forno e deixar arrefecer.

Cortar o "chapéu" dos pãezinhos. Retirar com cuidado o miolo.

Misturar o miolo com o leite de soja. Juntar as amêndoas trituradas, uma colher de sopa de açúcar em pó e algumas gotas de sumo de limão. Rechear cada pão com uma colher desta mistura.

Por cima, colocar um pouco de chantilly de coco e pousar por cima o chapéu.









terça-feira, 25 de Março de 2014

Bolo chiffon recheado com musse de chocolate e bolacha - Desafio Alfabeto Dulce

As bolachas Maria que fiz recentemente olhavam para mim a piscar-me o olho. Pensava no Alfabeto Dulce do Cook the Cake, que este mês nos desafiou a criar receitas com bolachas. Não se queriam receitas de bolachas (dessas tenho eu muitas) - mas receitas COM bolachas.

E vi na minha mente a imagem do que queria fazer. Um bolo de chocolate em camadas, em que o interior fosse uma musse de chocolate bem intensa, com bolachas em pedaços a dar a textura crocante.

O jantar com amigos que tínhamos no fim de semana foi a desculpa perfeita. E assim veio ao mundo este bolo decadente, para lá de delicioso, que me parece que pode servir lindamente como bolo de aniversário. Gosto do aspeto meio despido - um pouco na onda dos naked cakes - para ir contra esta moda que se instalou dos bolos completamente cobertos de pasta de açúcar, cheios de bonequinhos. É verdade que são bonitos, mas alguém realmente come aquela cobertura?

(Ou então sou eu que tenho a mania de ser do contra. Vá-se lá saber...)

Com esta receita, participo também no desafio do Telita da Cozinha com a Odisseias!




Ingredientes:

Musse

200 g de chocolate preto (sem lactose)
2 colheres de sopa de água
2 colheres de sopa de nata de soja
75 g de açúcar amarelo
4 ovos
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 pitada de sal
150 g de bolacha tipo Maria

Bolo

115 g de farinha de trigo branca
30 g de amido de milho
150 g de açúcar amarelo
45 g de cacau magro em pó
1 colher de chá de fermento
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
80 ml de óleo de girassol
5 ovos
120 ml de água
1 colher de sopa de aguardente velha
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 pitada de sal


Começar por fazer a musse, derretendo o chocolate em banho-maria, juntamente com a água e a nata de soja.

Entretanto, esmagar as bolachas até obter pedacinhos pequenos.

Quando o chocolate derreter, juntar o açúcar e misturar. Adicionar as gemas, mexendo sempre, e deixar cozinhar em banho-maria durante 5 minutos.

Retirar do lume e juntar as bolachas picadas e a baunilha. Continuar a mexer até amornar.

Bater as claras em castelo. Quando começarem a formar espuma, juntar uma pitada de sal. Continuar a bater até ficarem bem firmes.

Juntar a mistura anterior às claras em castelo, mexendo cuidadosamente até obter uma mistura homogéna.

Verter para uma taça de vidro e levar ao congelador enquanto se prepara o bolo.

Para o bolo, juntar numa taça a farinha, o amido de milho, o cacau, o fermento e o açúcar. Envolver cuidadosamente com uma colher de pau.

Abrir uma cova na mistura dos ingredientes secos. Aí, verter o óleo e envolver com a colher de pau. Juntar então as gemas e continuar a mexer.

Finalmente, adicionar a água, a baunilha e a aguardente velha. Mexer com a colher até obter um creme.

Bater as claras em castelo. Quando começar a formar espuma, adicionar o sal e o bicarbonato de sódio. Continuar a bater até ficarem bem firmes.

Juntar então o creme em fio às claras, mexendo cuidadosamente com uma espátula, usando movimentos delicados e rodando sempre para o mesmo lado.

Verter a mistura para uma forma de aro não untada e levar ao forno a 170º durante 50 minutos.

Depois de colocar o bolo no forno, retirar a musse do congelador e passar para o frigorífico.

Quando o bolo estiver cozido, retirar do forno, inverter a forma sobre duas tacinhas e deixar arrefecer, virado de cabeça para baixo.

Quando tiver arrefecido completamente, desenformar. Cortar em dois, no sentido longitudinal. Se necessário, nivelar com uma faca a parte superior.

Cobrir a base da forma com uma folha de papel vegetal. Por cima, colocar a metade inferior do bolo. Voltar a fechar o aro.

Por cima, espalhar cuidadosamente a musse, alisando a superfície. Colocar a metade superior do bolo por cima e pressionar ligeiramente. Tapar com papel de alumínio, colocar no frigorífico e deixar de um dia para o outro.

No próprio dia, fazer a decoração desejada.

No bolo que se vê na imagem, usei chantilly feito com leite de coco e estrelinhas para decoração de bolos.



A fatia - vêem as bolachas no meio da musse?






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...