terça-feira, 25 de abril de 2017

Bacalhau com funcho

Uma receita muito antiga, inventada por mim em tempos idos, este bacalhau com funcho faz um prato muito apetitoso para quem aprecia bacalhau. Raramente o cozinho cá em casa, porque tenho um companheiro que não consegue comer bacalhau (depois de passar 4 meses a comer bacalhau várias vezes por semana, com o intuito de experimentar todas as receitas portuguesas com bacalhau, estranhamente, enjoou, quem diria?). Mas hoje cozinhei só para mim e resolvi voltar a esta receita.




Ingredientes:

2 lombos de bacalhau fresco
1 cebola grande
1 cenoura grande
1 bolbo de funcho com a rama
150 ml de nata de soja
Sal
Pimenta
Azeite
Pão ralado qb


Picar a cebola e dourar num fio de azeite. Juntar a cenoura ralada e o funcho fatiado e deixar cozinhar tapado em lume brando até os legumes estarem tenros.

Adicionar o bacalhau cortado em cubos e continuar a cozinhar durante 12 minutos. Retirar do lume, adicionar a nata de soja e duas colheres de sopa bem cheias de rama de funcho. Temperar com sal (se necessário) e pimenta.

Verter a mistura num pirex de ir ao forno. Polvilhar com pão ralado e colocar 5 minutos em função grill para tostar.

Servir com uma salada de tomate.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Garoupa com endívias

Mais uma receita deliciosa do livro de receitas ch'ti. Tenho experimentado e adaptado imensas sugestões deste livro e têm sempre corrido lindamente, proporcionando refeições muito agradáveis e diferentes.

As endívias não são muito usadas em Portugal, mas são o ingrediente icónico da região francesa Le Nord. Podem comer-se com tudo (acho que só ainda não as vi em sobremesas, mas nunca fiando!) e neste caso acompanham - e bem! - uns belos lombos de garoupa.




Ingredientes:

4 endívias
2 lombos de garoupa
2 batatas
1 cebola roxa
100 ml de nata de soja
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de açúcar mascavado escuro
1 colher de chá de endro
Sal
Pimenta
Azeite


Abrir as endívias ao meio no sentido longitudinal. Dourar num fio de azeite numa panela anti-aderente. Quando estiverem douradas de ambos os lados, acrescentar o açúcar mascavado e deixar caramelizar.

Temperar com sal e pimenta, adicionar meio copo de água e deixar cozinhar durante 20 minutos.

Cozer as batatas com pele. Quando cozida, descascar e cortar em rodelas grossas.

Cortar a cebola em rodelas e dourar num fio de azeite.

Dispor as batatas no fundo de uma travessa de ir ao forno. Por cima, colocar os lombos de garoupa, temperando com sal e pimenta. Distribuir por cima a cebola dourada.

Juntar a nata de soja e o molho de soja. Regar com este molho.

Salpicar com o endro.

Levar ao forno a 200º durante 20 minutos.

sábado, 8 de abril de 2017

Panquecas de grão com beterraba e abacate

Uma receita do blogue Holy Cow! que resultou muito bem, estas panquecas de grão fazem uma base formidável para amontoar o que quer que esteja a passear no frigorífico. Usei molho de tomate caseiro para barrar, mas pode também usar-se molho pesto, maionese normal ou vegan ou outro molho que vos agrade.

Quanto aos toppings, tal como numa pizza, podem ser o que o homem quiser. A mistura da beterraba, do abacate e do creme de caju para nós resultou particularmente bem, fazendo um contraste dos ingredientes quentes com os frios que casa maravilhosamente com estas temperaturas de primavera que agora se fazem sentir.





Ingredientes:


Panquecas

2 chávenas de grão cozido
1 chávena da água de cozedura do grão
1 colher de chá de alho em pó
1 colher de chá de oregãos secos
1/2 colher de chá de cúrcuma
1 pitada de piri-piri
1 colher de chá de sal fino
70 g de farinha de arroz integral

Toppings

Molho de tomate caseiro
2 colheres de sopa de salsa picada
2 beterrabas
4 abacates pequenos
2 cebolos picados
Algumas colheres de creme de caju


Começar por cozer as beterrabas com pele em água abundante.

No liquidificador, colocar os ingredientes das panquecas, menos a farinha de arroz. Triturar até obter um creme.

Verter o creme para uma taça e juntar a farinha. Misturar bem e retificar os temperos, se necessário.

Aquecer duas frigideiras anti-aderentes e pincelar com azeite.

Numa delas, colocar um quarto da mistura das panquecas. Alisar com uma espátula e deixar cozinhar até a parte de baixo estar dourada. Usando a outra frigideira, virar com cuidado e continuar a cozinhar. Reservar, mantendo quente.

Repetir o processo até ter quatro panquecas grandes.

Barrar cada uma das panquecas com o molho de tomate. Salpicar com salsa. Retirar as beterrabas da água, tirar a pele e cortar em cubinhos, que se dispõem sobre as panquecas.

Cortar os abacates em lâminas e dispor sobre as panquecas. Espalhar algumas colheres de creme de caju por cima e salpicar com os cebolos picados.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Pão de alfarroba sem glúten

De todas as receitas de pães sem glúten que já experimentei, esta é definitivamente a minha preferida. Inspirada nesta receita do Vidas sem glúten, fui fazendo alterações até encontrar O pão sem glúten, aquela receita a que recorro sempre e que nunca falha.

O problema dos pães sem glúten é que são muitas vezes demasiado parecidos com bolos, sobretudo quando a receita leva ovos, ou então são demasiado pastosos, porque as farinhas sem glúten não levedam da mesma forma e portanto a massa fica pouco arejada. Às vezes é o sabor que desaponta, quando a combinação das farinhas não funciona tão bem. Testei muitas receitas sem nunca ficar completamente satisfeita.

Pelo contrário, este pão de alfarroba é delicioso, com uma consistência bastante interessante. Para o confecionar, uso isco de trigo integral, visto que os vestígios de glúten que aí se encontram vão ser destruídos pelo processo de levedação (ver este artigo se quiser saber mais). Mas para quem tem doença celíaca e não quer arriscar, aconselho que se fabrique um isco de trigo sarraceno, usando o processo descrito na receita do isco de centeio do blogue Zine de pão.




Noite do dia anterior:


120 g de isco de trigo integral (ou isco de trigo sarraceno)
200 g de flocos de aveia (certificados sem glúten)
200 ml de água tépida


Moer os flocos de aveia até obter farinha. Juntar a farinha com a água e o isco. Misturar bem, tapar com um saco de plástico e deixar repousar durante a noite.


Manhã do dia seguinte:


100 g de fécula de batata
100 g de farinha de mandioca
25 g de farinha de arroz integral
25 g de farinha de trigo sarraceno
50 g de farinha de alfarroba
10 g de goma xantana
6 g de sal fino
1/2 colher de sopa de mel
3 colheres de sopa de azeite
1 colher de sopa de vinagre de sidra
175 g de água tépida


Juntar as farinhas, a goma xantana e o sal. Misturar e abrir uma cova no meio.

À mistura do dia anterior, juntar o azeite, o vinagre, o mel e a água. Misturar com uma colher de pau.

Juntar as duas misturas. Bater na batedeira profissional com a vareta de amassar à velocidade 2 durante alguns minutos, até a massa ter uma consistência homogénea.

Colocar a massa numa forma de bolo inglês. Tapar com um pano húmido e deixar levedar 7 a 8 horas.

Levar ao forno a 220º durante 15 minutos. Baixar a temperatura para 180º e deixar cozer mais 30 minutos. Desligar o forno, retirar o pão da forma e deixar no forno mais 15 minutos.




terça-feira, 4 de abril de 2017

Chowder de pescada

Mais uma adaptação de uma receita de Nigel Slater, que vi já há muitos meses no seu programa televisivo Dish of the Day. Estava guardada para ser experimentada e estes lombos de pescada estavam mesmo a pedi-las.

Chowder é uma sopa americana de peixe e / ou mariscos, feita com leite (neste caso, com leite vegetal). Fica um prato saboroso que vale a pena experimentar.




Ingredientes:

500 g de lombos de pescada
500 ml de leite de soja não açucarado
2 folhas de louro
8 grãos de pimenta preta
1 cebola
1 pastinaga
1 cenoura
1/2 aipo-nabo
1 colher de chá de sementes de mostarda
1 colher de chá de cúrcuma
1 colher de sopa de farinha de arroz
2 colheres de sopa de salsa picada
Sal
Azeite


Colocar o peixe numa panela com o leite de soja, as folhas de louro, os grãos de pimenta grosseiramente esmagados e um pouco de sal e levar ao lume. Deixar fervilhar cinco minutos, retirar do lume e reservar durante meia hora.

Dourar a cebola picada num fio de azeite. Acrescentar os restantes legumes cortados em cubinhos e as especiarias. Baixar o lume e deixar cozinhar até os legumes estarem tenros.

Salpicar a mistura com a farinha e mexer durante dois minutos. Retirar a pescada do leite e reservar. Verter o leite por cima dos legumes e deixar fervilhar alguns minutos até a farinha estar cozida e o líquido tenha ganho alguma espessura. Temperar com sal.

Colocar o peixe na panela apenas o tempo suficiente para voltar a ficar quente. Salpicar com salsa picada e servir.


domingo, 2 de abril de 2017

Queijadas de castanha, cenoura e coco

Inspirada nesta receita do blogue Ratatui dos Pobres, fabriquei esta bela sobremesa, que foi super apreciada num almoço entre amigos.

Ficam uns bolinhos bem suaves, com uma combinação de sabores fantástica.




Ingredientes:

250 g de castanhas (pesadas já sem pele)
250 g de cenouras
1 pau de canela
60 g de óleo de coco + qb para untar as formas
1 colher de sopa de coco ralado
160 g de açúcar mascavado escuro
5 ovos pequenos
70 g de farinha de trigo integral
1 pitada de sal


Cozer as castanhas e as cenouras com um pau de canela e uma pitada de sal.

Escorrer a água, descartar o pau de canela e colocar as castanhas e as cenouras no liquidificador.

Triturar até obter uma pasta. Adicionar então o óleo de coco, o coco ralado, o açúcar, os ovos e a farinha. Triturar tudo muito bem até obter um creme liso.

Untar forminhas com óleo de coco (rende 10 queijadas). Verter o creme nas formas.

Levar ao forno a cozer em banho-maria a 180º durante 35 minutos.

Desenformar e decorar com castanhas cozidas.

terça-feira, 28 de março de 2017

Bolo salgado de legumes e banana verde

Tudo começou com seis bananas verdes na fruteira, que depois de 3 semanas não tinham amadurecido. Rendi-me às evidências - as bananas não iam amadurecer. Já me tinha passado pelos olhos o termo "biomassa de banana verde", aparentemente algo muito saudável, mas na verdade não sabia do que se tratava. Fui então pesquisar, com o intuito de fazer algo das minhas bananas verdes.

Descobri que a biomassa é apenas banana verde cozida e triturada em puré, nada mais simples! Tem muitas utilizações e tem propriedades nutricionais muito interessantes, sobretudo porque funciona como um alimento probiótico, cuidando das bactérias do nosso intestino. Também é um alimento interessante para diabéticos, visto que o amido presente na banana verde (que depois se transforma em açúcar quando a banana amadurece) não é absorvido pelo organismo, o que diminui substancialmente o seu índice glicémico. Este amido funciona então como as fibras, trazendo montes de vantagens para o organismo.

Resolvi então pôr mãos à obra, fazer biomassa e usá-la numa receita. Escolhi este bolo salgado de legumes, que ficou delicioso.





Ingredientes:


Biomassa de banana verde

6 bananas verdes
Água qb

Bolo

100 g de farinha de mandioca
110 g de farinha de arroz integral
130 g de amido de milho
3 colheres de sopa bem cheias de biomassa de banana verde
1 colher de chá de fermento
1 colher de chá de goma xantana
4 ovos pequenos
200 ml de leite de soja não adoçado
1 colher de sopa de sementes de linhaça
1 colher de sopa de vinagre de sidra
1 cebola roxa grande
1/2 pimento vermelho
1/2 alho francês (a parte branca)
1 cenoura
3 colheres de sopa de polpa de tomate
1 colher de sopa de folhas de tomilho
Sementes de sésamo e linhaça para polvilhar
Flor de sal
Pimenta
Azeite


Lavar as bananas. Colocá-las na panela de pressão, cobrindo-as com água. Fechar a panela e levar ao lume até levantar pressão. Deixar cozinhar 10 minutos.

Retirar a polpa das bananas ainda quentes e colocar no liquidificador. Acrescentar água e triturar até obter um creme liso. Guardar no frigorífico num frasco bem fechado (pode também congelar-se para usar mais tarde).

Para o bolo, começar por picar finamente a cebola e dourar num fio de azeite. Entretanto, fatiar o pimento, cortar o alho francês às rodelas e a cenoura em meias luas. Acrescentar os legumes à panela, bem como a polpa de tomate e deixar cozinhar em lume brando.

Quando os legumes estiverem bem cozidos, acrescentar o vinagre e temperar com sal, pimenta, tomilho. Reservar.

No liquidificador, bater os ovos, o leite de soja, três colheres de sopa de biomassa de banana verde e três colheres de sopa de azeite.

Numa taça, juntar as farinhas, o fermento, a goma xantana e as sementes de linhaça. Juntar a mistura anterior e misturar com uma colher de pau. Temperar com sal e pimenta.

Adicionar então os legumes e misturar de novo com a colher de pau. Verter a massa numa forma de bolo inglês e salpicar com sementes de sésamo e linhaça.

Levar ao forno a 180º durante 45 minutos.





quarta-feira, 22 de março de 2017

Tostas de trigo sarraceno com beterraba e creme de tofu

O desafio das Receitas Saudáveis voltou e não podíamos deixar de participar! Desta vez, o Limited Edition propõe-nos pensar sobre o que consideramos uma alimentação / vida saudável.

Não é um assunto fácil - pelo contrário, é um tema que provoca muita polémica e muitas convicções apaixonadas (e por vezes mesmo algum fanatismo). Para mim, uma vida saudável é aquela onde me sinto realizada, contente com a direção que a minha vida leva e satisfeita de modo geral com as decisões que tomo a cada dia, nomeadamente aquelas que implicam diretamente com o cuidado que tenho comigo e com a minha família.

Em termos de alimentação, acredito que cada pessoa tem que informar-se, ouvir o seu corpo e encontrar a sua própria forma de comer, aquela que é boa para si (para o corpo e para a mente, porque os dois não se podem dissociar) e que lhe faz sentido.

E como é que isso se concretiza? Na minha vida, é algo que foi mudando com o tempo, à medida que a idade foi avançando, com novas experiências na vida, com novas investigações que vêm a lume e de que tomo conhecimento, que me convencem a mudar isto ou aquilo na minha alimentação. O diagnóstico da minha intolerância à lactose foi uma grande mudança na minha vida, porque obrigou a toda uma nova organização da alimentação cá em casa. A chegada à minha vida do meu companheiro foi outra transformação. Mais tarde, a vivência da gravidez e a chegada de um bebé também me levaram a alterações importantes.

Neste momento, uma alimentação saudável para mim é aquela que se baseia maioritariamente em produtos biológicos, o mais diversificados possível (vou sempre à procura do legume que nunca experimentei ou da fruta que como menos vezes), alimentos não processados, sopa ao almoço e ao jantar durante todo o ano,  uma quantidade controlada de hidratos de carbono, utilização de gorduras "do bem" (azeite, óleos vegetais não refinados processados a frio, óleo de coco, frutos secos, abacate), pouco açúcar (uso muitas vezes o açúcar da fruta ou de alguns legumes, conjuntamente com um toque de stevia granulada, quando faço doces cá em casa), uma quantidade moderada de sal.

Com a gravidez e a amamentação aumentei a ingestão de proteína animal, complementando-a na refeição seguinte com proteína vegetal, vinda sobretudo do tofu e das leguminosas. Mas em tempos normais, a carne e o peixe aparecem no menu cá de casa duas a três vezes por semana, e as refeições restantes são vegetarianas, à base de ovos, ou claramente vegan. Para compensar, atualmente o álcool não tem lugar no meu regime alimentar, mas assim que deixar de amamentar, um ou dois copos de vinho ao sábado à noite não me escapam!

Claro que nada disto faz sentido se não for acompanhado com uma boa quantidade de alegria e entusiasmo, com relações emocionais que nos enchem as medidas, com uma dose importante de prazer, para contrabalançar as dores que sempre vamos vivendo na vida.

Por isso é que não deixámos de receber pessoas em casa, mesmo com um bebé pequeno, e com receitas surpreendentes, saborosas e saudáveis! Muitas vezes as pessoas associam o saudável ao desenxabido - estas tostas com creme de tofu e beterraba vêm contrariar totalmente isso. Os sabores são fortes e o visual conta muito - porque já se sabe que os olhos também comem!

Uma outra versão fantástica destas tostas surge quando se substitui a beterraba por abacate. Uma delícia!

Se quiserem também participar neste desafio, basta enviarem um email para lim.edition2012@gmail.com. Se reproduzirem na vossa cozinha esta proposta ou outras do desafio, utilizem o #desafioreceitasaudável e partilhem as vossas versões e interpretações. Vamos contribuir para um estilo de vida mais saudável, que passa pela comida, mas não se esgota nela!






Ingredientes:


2 beterrabas
Sal
Pimenta

Tostas (adaptado do Our Food Stories)

125 g de farinha de trigo sarraceno
125 g de flocos de trigo sarraceno
50 g de sementes de girassol
50 g de sementes de sésamo
80 g de sementes de linhaça
20 g de sementes de papoila
1 colher de chá de sal fino
2 colheres de sopa de azeite
350 ml de água

Creme de tofu (adaptado do Booklet de queijos vegan da Gopal)

200 g de tofu
75 ml de azeite
1/2 colher de chá de poejo seco
1/2 colher de chá de oregãos secos
1/2 colher de chá de alho em pó
1/2 colher de chá de flor de sal
50 ml de água
1 pitada de açúcar mascavado escuro


Cozer as beterrabas em água a ferver. Depois de cozidas, tirar a pele e cortar em fatias grossas. Com um cortador de bolachas, cortar as formas desejadas e reservar.

No liquidificador, juntar todos os ingredientes para o creme. Triturar bem até obter uma consistência homogénea. Retificar os temperos, se necessário.

Para as tostas, juntar todos os ingredientes secos e misturar. Adicionar a água e o azeite e bater levemente. Deixar repousar durante 20 minutos.

Espalhar a mistura num tabuleiro forrado com papel vegetal. Levar ao forno pré-aquecido a 160º durante 20 minutos.

Retirar do forno e, com uma faca afiada, traçar as linhas das tostas, sem cortar completamente.

Voltar a levar ao forno mais 40 minutos. Desligar o forno e deixar a terminar a cozedura mais 10 minutos.

Retirar do forno e cortar de acordo com as linhas desenhadas.

Num prato, colocar uma tosta. Barrar com o creme. Dispor as estrelas de beterraba por cima e temperar com sal e pimenta. Guarnecer com algumas folhas de rúcula.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Caril tailandês de peixe e abóbora

O caril tailandês é sempre bem vindo cá em casa! Este é uma adaptação de uma receita do livro Tailândia, de Oi Cheepchaiissara, que faz parte da coleção Sabores do Mundo, editada pelo Círculo de Leitores.

É um caril de peixe particularmente interessante porque o peixe é apresentado em almôndegas, que são cozidas num caldo bem aromático. Fica uma verdadeira delícia!




Ingredientes:


500 g de pescada (ou outro peixe branco) sem peles e sem espinhas
1/2 abóbora manteiga
4 dentes de alho
1/2 molho de coentros
1 1/2 colher de sopa de farinha de milho
1 1/2 colher de sopa de pasta de caril tailandês
400 ml de caldo de legumes
200 ml de leite de coco light
2 colheres de sopa de molho de peixe tailandês
1 colher de chá de açúcar mascavado escuro
2 1/2 colheres de sopa de óleo de coco
1 cebolo
Sal
Pimenta


No processador de alimentos, colocar o peixe, o alho, os coentros, a farinha de milho, uma colher e meia de óleo de coco, sal e pimenta. Triturar até obter uma pasta. Com esta pasta, fazem-se cerca de 30 pequenas almôndegas, que se reservam.

Cortar a abóbora em cubos.

Numa panela, aquecer uma colher de sopa de óleo de coco. Fritar a pasta de caril durante dois minutos.

Adicionar então o caldo de legumes e quando levantar fervura, acrescentar a abóbora, que se deixa cozinhar até estar tenra (mas não desfeita).

Juntar à panela o leite de coco, o molho de peixe e o açúcar e misturar. Dispor com cuidado as almôndegas no caldo e deixar cozinhar 5 minutos. Retirar do lume e deixar tapado durante 10 minutos.

Servir com arroz tailandês, salpicado com cebolo picado.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Salada de aipo-nabo, maçã e avelãs

À procura de uma salada saborosa à base de aipo-nabo, que costumo comprar no mercado biológico, encontrei esta receita no Les Foodies. O aipo-nabo faz um sucesso estrondoso cá em casa e de facto é um tubérculo com um sabor único! Esta salada, tão fácil de fazer, faz um brilharete como entrada em qualquer jantar com amigos.




Ingredientes:

1/2 bolbo de aipo-nabo
1 maçã pequena
1 chalota
2 colheres de sopa de coentros picados
1 colher de sopa de vinagre balsâmico
1 colher de sopa de azeite
1 colher de chá de mostarda Dijon
1 colher de chá de xarope de agave
10 avelãs ligeiramente tostadas
Sal
Pimenta


Ralar o aipo-nabo. Cortar a maçã com casca em cubinhos. Picar finamente a chalota.

Numa taça, juntar o vinagre, o azeite, a mostarda, o xarope de agave, sal e pimenta. Misturar bem.

Adicionar os legumes, bem como os coentros, e mexer até ficarem bem cobertos com o tempero.

Dispor a salada em dois pratos. Partir grosseiramente as avelãs e salpicar a salada com elas.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Chutney de couve roxa

Retirei esta receita do programa Chef de Raiz, que costumo acompanhar. Pareceu-me um acompanhamento perfeito para uma refeição especial e não me enganei! A mistura de sabores é deliciosa e o aspeto fica divinal. Pode comer-se quente ou frio e é formidável das duas maneiras, acompanhando carnes vermelhas ou hambúrgueres vegetarianos.




Ingredientes:

1/2 couve roxa
1 cebola roxa
15 g de gengibre fresco
15 g de sementes de mostarda
5 g de pimenta da jamaica
Sal
80 g de açúcar mascavado escuro
50 ml de vinagre de sidra
Azeite


Hidratar as sementes de mostarda durante 45 minutos.

Colocar um tacho ao lume com uma fundo de azeite. Cortar a cebola e a couve em fatias muito finas e colocar no tacho bem quente. Deixar cozinhar 2 minutos.

Cortar o gengibre em tiras finas e moer a pimenta da Jamaica. Adicionar os temperos ao tacho, bem como o sal e o açúcar.

Juntar também o vinagre e deixar cozinhar tapado durante 25 minutos. Retirar do lume e deixar tapado até amornar.

Servir como guarnição quente ou frio. Pode guardar-se no frigorífico em recipiente hermeticamente fechado, conservando-se durante bastante tempo.


segunda-feira, 6 de março de 2017

Batatas Dauphine

Para a celebração de um aniversário especial, fui à procura de uma receita diferente de batatas. Tinha na cabeça as batatas noisette, mas não queria fazer fritos; a pesquisar na internet acabei por encontrar esta receita.

Fiquei interessada nesta espécie de profiteroles de batata e curiosa acerca do sabor e da textura deste acompanhamento tão francês. Uma receita antiga, cuja primeira referência se encontra em 1864, diz-se que foi criada pelo chef do Dauphin, conde de Viennois, numa ocasião em que o senhor estava atrasado para o jantar. Já se sabe que a necessidade aguça o engenho!

Com esta receita, descobri que prefiro claramente a massa choux em pratos salgados, suspeita que tinha desde que provei os éclairs salgados do L'Éclair. Não sendo eu uma fã incondicional de profiteroles, éclairs e outros bolos feitos com massa choux, percebi o potencial que esta tem em pratos salgados, dando uma textura formidável ao puré de batata.







Ingredientes:

500 g de batata
125 g de farinha de trigo branca
250 ml de água
70 ml de óleo de sésamo não tostado (ou outro óleo vegetal de sabor neutro)
4 ovos
Sal


Cozer as batatas em água e sal. Quando cozidas, esmagar com um garfo.

Levar ao lume a água com o óleo e meia colher de chá de sal grosso. Quando levantar fervura, retirar do lume e juntar de uma vez só a farinha. Bater energicamente com uma colher de pau.

Voltar a levar ao lume, mexendo sempre com a colher de pau, até a massa descolar das paredes da panela.

Retirar do lume e acrescentar um ovo de cada vez, batendo bem entre cada adição. Juntar o puré de batata e misturar bem. Adicionar um pouco de água se a mistura estiver demasiado espessa.

Colocar a mistura no saco de pasteleiro com o bico mais largo. Forrar um tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal e depositar pequenas porções de massa, com algum espaço entre elas. Em alternativa, pode usar-se uma colher e formar pequenas bolinhas (como se fossem profiteroles).

Levar a forno pré-aquecido a 200º durante 30 minutos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...