terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Creme de castanhas, abóbora e cogumelos

Mais uma sopa, desta feita com castanhas. Nunca tinha feito sopa com castanhas, mas sempre gostei da ideia. Muito comum em França, é um ingrediente pouco usado nas sopas portuguesas; mas pela blogosfera fora, encontrei algumas inspirações que me fizeram experimentar (por exemplo, esta receita do Compassionate Cuisine). Gostei imenso do resultado em termos de textura e da conjugação dos sabores com a abóbora, os cogumelos e a salva. É claramente uma sopa de inverno, demasiado rica noutra altura do ano, mas perfeita para o tempo frio ou para uma ocasião especial, como um jantar de fim de ano.





Ingredientes:

350 g de castanhas
500 g de abóbora
250 g de cogumelos
1 cebola
3 dentes de alho
1 colher de sopa de salva picada
1/2 cubo de caldo de legumes
Azeite
Sal
Pimenta


Dar um golpe nas castanhas e levar ao forno a 230º durante 15 minutos. Retirar, deixar amornar e descascar.

Refogar a cebola e os alhos num fio de azeite. Quando estiver transparente, adicionar os cogumelos laminados e a abóbora cortada em cubos. Deixar cozinhar 10 minutos.

Adicionar então as castanhas, um litro de água e o caldo de legumes. Deixar ferver durante 20 minutos.

No liquidificador, triturar até obter um creme homogéneo.

Voltar a levar a lume brando durante 15 minutos. Retirar do lume, acrescentar a salva picada e temperar com sal e pimenta.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Tostas de salmão e cogumelos com musse de abacate

No The Fitchen, encontrei esta receita, que não podia ser mais apropriada para o jantar de natal de amigos, para o qual tinha ficado de levar o prato de peixe. Foi um verdadeiro desfile de iguarias, um menu de degustação em que cada um levou um prato, pelo que era fundamental encontrar uma receita de peixe que fosse saborosa e leve. O pão de centeio dinamarquês feito no próprio dia deu-lhe um toque escandinavo!

Fica aqui a sugestão, que também pode ser usada como entrada no jantar de ano novo.




Ingredientes:

8 fatias de pão de centeio dinamarquês
8 fatias de salmão fumado
6 cogumelos brancos
Azeite
Sal
Pimenta

Musse

2 abacates
2 colheres de sopa de maionese light
1 1/2 colher de sopa de sumo de limão
1 colher de chá de sal fino
1 pitada de piri-piri
2 colheres de sopa de manjericão fresco picado


Fazer o molho esmagando a polpa dos abacates com um garfo. Juntar a maionese, o sumo de limão, o manjericão, o sal e o piri-piri.

Fatiar os cogumelos e refogar num fio de azeite. Temperar com sal e pimenta.

Torrar ligeiramente as fatias de pão e pincelar com azeite. Por cima, espalhar algumas fatias de cogumelos.

Colocar a musse de abacate num saco de pasteleiro. Enrolar uma fatia de salmão, formando um cone. Rechear com o creme e dispor por cima dos cogumelos. Repetir até terminar as fatias.

domingo, 29 de dezembro de 2013

Rugbrød - Pão de centeio dinamarquês

Já falei aqui da nossa próxima viagem, que será a Copenhaga, por alturas do carnaval. Estou tão entusiasmada que ando a pesquisar receitas dinamarquesas como se não houvesse amanhã! O movimento da nova cozinha nórdica em especial é bastante interessante, na forma como vai recuperar raízes e tradições gastronómicas. Como por exemplo este pão de centeio dinamarquês, que não pode faltar em nenhum lar e é usado para confecionar as famosas tostas abertas (smorrebrød).






Noite do primeiro dia:

200 g de isco de centeio
125 g de grãos de centeio
50 g de sementes de linhaça
110 g de farinha de trigo integral
275 g de água tépida


Lavar bem os grãos de centeio e demolhá-los durante pelo menos 12 horas.

Juntar os restantes ingredientes numa taça de vidro, misturar bem e tapar com um saco de plástico. Deixar repousar durante 10 horas.


Manhã do segundo dia:

Mistura do dia anterior
500 g de farinha de centeio integral
100 g de farinha de trigo integral
25 g de flocos de centeio
1 1/2 colher de sopa de mel
15 g de sal fino
200 g de água tépida


Juntar as farinhas, os flocos e o sal. Abrir uma cova no meio.

Lavar de novo os grãos de centeio e parti-los em pedaços mais pequenos.

À mistura do dia anterior, adicionar os grãos partidos, a água e o mel. Verter na cova aberta nas farinhas e bater com a vareta de amassar durante 9 minutos à velocidade 2. Amassar à mão mais alguns minutos.

Colocar a massa em formas de bolo inglês, tapar com um pano húmido e deixar levedar durante 6 horas.

Cozer no forno a 170º durante 1h45m. Tirar o pão das formas e cozer mais 15 minutos. Desligar o lume e deixar o pão no forno mais 10 minutos para acabar a cozedura.

Deixar arrefecer antes de fatiar.


sábado, 28 de dezembro de 2013

Panna cotta com coulis de framboesa

Uma panna cotta sem lactose não é nada difícil de fazer e fica com um sabor fantástico. A textura é ótima e o coulis de framboesa dá-lhe o contraste necessário.




Ingredientes:

600 ml de leite de soja
600 ml de nata de soja
7 folhas de gelatina
90 g de açúcar branco
22,5 g de açúcar baunilhado
1/2 vagem de baunilha
1 colher de chá de aroma de baunilha

Coulis

450 g de framboesas congeladas
1 colher de sopa de açúcar em pó


Demolhar a gelatina.

Abrir a vagem de baunilha e colocar numa panela anti-aderente, juntamente com os restantes ingredientes (menos a gelatina). Levar a lume brando, mexendo sempre até fervilhar. Retirar do lume.

Escorrer a gelatina e acrescentar ao líquido ainda quente. Mexer bem até dissolver. Coar.

Distribuir o líquido por 8 taças. Colocar no frigorífico durante 4 horas.

Passado esse tempo, preparar o coulis. Começar por separar oito framboesas e reservar. O restante, levar ao microondas em potência máxima durante 3 minutos.

Triturar com a varinha mágica, até obter um puré. Coar para retirar as sementes.

Acrescentar o açúcar em pó e mexer bem. Distribuir o coulis pelas taças. Por cima, colocar uma framboesa inteira. Voltar a levar ao frigorífico durante pelo menos uma hora ou até ao momento de servir.




sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Mandelstollen - Pão de amêndoas de Natal

Mais um desafio do Bake the World, que este mês nos propõe o stollen, um pão alemão, típico no Natal. É um pão doce, tradicionalmente carregado de frutas cristalizadas, lembrando um pouco o nosso bolo-rei, mas com um formato e consistência diferentes.

Escolhi o stollen de amêndoas, usando a receita do German Food Guide, porque cá em casa os frutos cristalizados não são apreciados. A única exceção são estas cascas de limão confitadas, feitas em casa de acordo com a receita do The Shiksa in the Kitchen, mas com metade da quantidade de açúcar que a receita propunha.

Aqui fica a minha aventura, com as devidas adaptações! O sabor ficou fantástico e é um pão fabuloso para um pequeno-almoço especial.






Noite do primeiro dia:

120 g de isco de trigo
60 g de farinha de trigo branca
140 g de farinha de trigo integral
200 g de água tépida

125 g de amêndoas


Juntar as farinhas, o isco e a água numa taça de vidro, misturar bem e tapar com um saco de plástico. Deixar repousar durante 12 horas.

Noutra taça de vidro, colocar as amêndoas e cobrir com água. Deixar repousar durante 12 horas.



Manhã do dia seguinte:


Mistura do dia anterior
Amêndoas demolhadas do dia anterior
150 g de amêndoa em palitos
150 g de açúcar branco
570 g de farinha de trigo branca
1 ovo
150 ml de óleo de girassol
60 g de casca de limão cristalizada (feitas de acordo com esta receita, mas com metade do açúcar)
12 vagens de cardamomo verde
5 g de sal


Escorrer a água das amêndoas e colocá-las, juntamente com 800 ml de água mineral, no liquidificador. Bater bem, até as amêndoas estarem completamente trituradas.

Colocar um pano limpo aberto num recipiente fundo. Verter aí o leite de amêndoas e coar, espremendo bem o líquido. Separar 100 ml e reservar o restante no frigorífico para futuras utilizações.

Juntar a pasta de amêndoas que sobra no pano com a farinha, o açúcar, a amêndoa em palitos e o sal.

Retirar as sementes das vagens de cardamomo e pisar no almofariz. Picar as cascas de limão cristalizadas em pedaços pequenos.  Juntar ambos à farinha. Envolver bem e abrir uma cova no meio.

Na cova, colocar o ovo e o óleo de girassol. À mistura do dia anterior, juntar os 100 ml de leite de amêndoas obtido. Envolver bem e acrescentar à farinha.

Bater na batedeira profissional à velocidade 2 durante 8 minutos. Retirar e amassar manualmente mais alguns minutos.

Lavar a taça de vidro utilizada no dia anterior e untar com óleo de girassol. Colocar aí a massa, virando-a para ficar coberta de óleo. Tapar com um saco de plástico e deixar levedar durante 3 horas.

Após esse tempo, espalmar a massa delicadamente numa superfície enfarinhada, dando-lhe uma forma oblonga, e virar uma das parte por cima da outra, mas sem as sobrepor completamente.

Colocar num tabuleiro de ir ao forno forrado com papel vegetal, tapar com um pano húmido e deixar repousar mais 4 horas.


Tarde do segundo dia:

Óleo de girassol qb
Açúcar em pó qb


Levar ao forno a 180º durante 60 minutos. Retirar do forno e pincelar com óleo, ainda quente. Salpicar com o açúcar em pó e deixar arrefecer antes de fatiar.





quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Curgetes à moda egípcia

No Passion Culinaire, descobri esta receita egípcia, que adorei. Adivinhei que aqui em casa faria sucesso, com algumas adaptações, e de facto foi o que aconteceu!




Ingredientes:

300 g de carne de vaca picada
2 curgetes
1/2 colher de chá de gengibre em pó
1/2 colher de chá de pimentão doce
1/2 colher de chá de cominhos
1/4 colher de chá de canela
4 cravinhos
8 cardamomos verdes
500 ml de leite de aveia (caseiro, segundo esta receita)
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 pitada de noz moscada
Azeite
Sal
Pimenta


No almofariz, moer os cravinhos e as sementes dos cardamomos. Numa taça, juntar todas as especiarias.

Colocar um fio de azeite numa frigideira anti-aderente e fritar as especiarias durante um minuto, sem deixar queimar.

Juntar a carne picada e cozinhar durante 15 minutos. Temperar com sal e pimenta.

Colocar no fundo de um prato de ir ao forno.

Cortar as curgetes em rodelas finas e cobrir com elas a carne. Temperar com sal e pimenta.

Numa panela, colocar duas colheres de sopa de azeite e alourar a farinha. Juntar o leite de aveia e deixar cozinhar em lume brando, mexendo sempre até espessar. Quando começar a fervilhar, retirar do lume. Temperar com sal, pimenta e noz moscada.

Cobrir as curgetes com o molho e levar ao forno a 200º durante 35 minutos.




terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Bolo de gengibre, avelã e limão

Uma adaptação de uma receita do Cinco Sentidos na Cozinha, resolvi experimentar este bolo porque me parecia uma verdadeira delícia. Perfeito para a mesa natalícia, é um bolo húmido e saboroso.





Ingredientes:


220 g de farinha de trigo integral
60 g de avelãs
120 g de casca de limão cristalizada (caseira, segundo esta receita)
130 ml de leite de coco
70 ml de xarope de limão (resultante do fabrico da casca de limão cristalizada)
80 g de açúcar amarelo
2 colheres de sopa de óleo de girassol
3 ovos
1 laranja
1 colher de chá de fermento
2 colheres de chá de gengibre em pó
1 pitada de sal
Açúcar em pó qb


Numa panela anti-aderente, juntar o leite de coco, o óleo, o açúcar e o xarope de limão. Levar a lume brando, mexendo sempre, até fervilhar. Desligar o lume e deixar arrefecer.

Numa tigela, juntar a farinha, o fermento, o gengibre e o sal. Picar a casca de limão em cubinhos e partir grosseiramente as avelãs no almofariz e juntar à mistura anterior.

Bater os ovos com o sumo e a raspa da laranja. Adicionar a mistura do leite com o açúcar e bater.

Juntar a farinha e envolver, batendo bem até formar bolhas.

Verter numa forma de bolo inglês e levar ao forno a 200º durante 40 minutos.

Retirar e desenformar. Quando arrefecer, salpicar com açúcar em pó.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Salada morna de bróculos, pêra e nozes

Uma salada perfeita para um almoço de domingo, inspirada nesta outra do Natasha's Kitchen. Com um velouté de cogumelos com arroz integral como entrada, esta salada a seguir foi o suficiente para nos encher a barriga. Mas também funciona muito bem como entrada.




Ingredientes:

2 cabeças de bróculos
2 pêras-rocha
1 cenoura
1 cebola pequena
50 g de miolo de noz
25 g de bagas goji
3 colheres de sopa de maionese light
2 colheres de sopa de nata de soja
2 colheres de sopa de salsa picada
Sumo de meio limão
1/2 colher de chá de açúcar
Sal
Pimenta


Colocar água a ferver numa panela. Partir os bróculos em pedaços bem pequenos. Quando a água estiver a ferver, juntar os bróculos e esperar que levante de novo fervura. Cozer durante 5 minutos, escorrer e reservar.

Picar a cebola bem fina. Ralar a cenoura. Descascar, descaroçar e cortar as pêras em cubinhos. No almofariz, partir as nozes em pedaços pequenos.

Numa taça, juntar a maionese, a nata de soja, o sumo de limão e o açúcar. Misturar bem e temperar com sal e pimenta.

Juntar todos os outros ingredientes ao molho, envolver bem e servir de imediato.

domingo, 22 de dezembro de 2013

Velouté de cogumelos com arroz integral

Uma receita adaptada do Marmita, que faz um creme de cogumelos delicioso!





Ingredientes:

2 cebolas
3 batatas
550 g de cogumelos brancos
90 g de arroz integral
4 colheres de sopa de nata de soja
Folhas de coentros qb
Vinagre balsâmico qb
Azeite
Sal
Pimenta


Refogar a cebola picada num fio de azeite. Quando estiver transparente, adicionar as batatas cortadas aos cubos. Deixar refogar cinco minutos.

Juntar então os cogumelos laminados. Deixar cozinhar alguns minutos.

Acrescentar um litro de água e deixar ferver durante 20 minutos. Noutro tacho, começar a cozer o arroz em água e sal.

Colocar os legumes e a água da sua cozedura no liquidificador e bater bem até obter um creme com consistência homogénea. Voltar a colocar na panela, juntar o arroz escorrido e cozinhar mais 10 minutos; após esse tempo, retirar do lume.

Adicionar a nata de soja. Temperar com sal e pimenta. No momento de servir, acrescentar um fio de vinagre balsâmico e algumas folhas de coentros ao prato.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Pão de milho com oregãos

Um pão com um toque de farinha de milho e o sabor tão mediterrâneo dos oregãos, que fazem deste um pão excelente para acompanhar charcutaria.







Noite do primeiro dia:

120 g de isco de trigo integral
200 g de farinha de trigo integral
205 g de água tépida


Misturar tudo numa taça de vidro. Tapar com um saco de plástico e deixar repousar durante 12 horas.


Manhã do segundo dia:

Mistura do dia anterior
400 g de farinha de trigo branca
100 g de farinha de milho
1 colher de sopa de mel
210 g de água tépida
1 colher de chá bem cheia de oregãos
7 g de sal fino


Juntar as farinhas, o sal e os oregãos. Abrir uma cova no meio.

À mistura do dia anterior, adicionar o mel e a água. Misturar bem e verter na cova das farinhas.

Tapar com a farinha que fica nas margens, tapar com o saco de plástico e deixar repousar 10 minutos.

Bater com a vareta de amassar à velocidade 2 durante 8 minutos.

Lavar a taça de vidro usada no dia anterior e untar com azeite. Colocar a massa, virando-a de modo a ficar coberta de azeite. Tapar com o saco de plástico e deixar levedar 4 horas.

Ao fim desse tempo, dar umas voltas à massa e formar uma bola, que se coloca num tabuleiro de ir ao forno forrado com papel vegetal. Tapar com um pano húmido e deixar levedar mais 3 horas.

Dar cortes na superfície do pão com uma faca afiada e levar ao forno a 230º durante 15 minutos. Findo esse tempo, baixar para 200º e deixar cozer durante 30 minutos. Desligar o forno e deixar o pão no seu interior mais 10 minutos.

Retirar e deixar arrefecer antes de fatiar.



quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Fudge vegan de chocolate e pinhões

O fudge é um doce anglo-saxónico, muito comum no Reino Unido e nos Estados Unidos da América. Tem uma consistência muito particular, entre o caramelo e a musse, lembrando um pouco a consistência que podemos encontrar nas trufas de chocolate.

Normalmente, está cheio de manteiga, nata e outras coisas que tal, portanto fiquei muito contente quando encontrei esta receita vegan de fudge, à base de leite de coco e abacate e sem gordura adicionada. A sua textura é muito suave e faz um excelente presente de natal para os amigos gulosos. E porque a textura é essencial neste doce, o tacto é um sentido que é desafiado quando comemos um quadradinho: primeiro, quando o pegamos entre os dedos; depois quando o pomos sobre a língua e o apertamos contra o céu da boca... e no final, quando lambemos os vestígios que ficaram nos dentes.

Por isso, participo com esta receita no passatempo do Limited Edition com a Alecrim aos Molhos.





Ingredientes:

150 g de chocolate preto (sem lactose)
1 abacate bem maduro (pequeno, com cerca de 160 g)
70 ml de leite de coco
25 g de miolo de pinhão
1 colher de chá de açúcar em pó
1 colher de chá de aroma de baunilha
1/2 colher de chá de sal fino


Colocar o chocolate e o leite de coco numa panela em banho-maria e ferver até o chocolate derreter.

Juntar o abacate em puré, o açúcar, a baunilha, o sal e os pinhões. Misturar bem.

Forrar uma forma quadrada com papel vegetal. Verter aí a mistura anterior e alisar a superfície.

Levar ao frigorífico durante pelo menos 12 horas. Retirar o fudge da forma com a ajuda do papel vegetal. Virar sobre uma superfície de corte e retirar com cuidado o papel vegetal. Cortar aos quadrados.

Guardar em frascos de vidro no frigorífico.


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Estrelas de gengibre

Mais um desafio do Vamos Fazer Bolachas do Cravo e Canela, que este mês não podia ter outro tema senão a época natalícia que se avizinha. Resolvi experimentar uma receita nova, inspirada nas bolachas de natal escandinavas, que têm normalmente um forte sabor a gengibre. Com uma decoração a rigor, ficaram umas bolachas de natal comme il faut!

Servem também estas bolachas para participar no passatempo de aniversário do Tertúlia da Susy, que nos desafiou a confecionar uma receita com o nosso ingrediente preferido. Ora, eu, ingrediente preferido... pois não sei... a sério... são tantos!... Pus-me a pensar, a pensar, e se há ingrediente de que me "acusam" de usar com (demasiada) frequência é... o gengibre! Por isso, aqui ficam estas estrelas de gengibre todas vaidosas, como representantes dessa raiz que, na minha opinião, vai bem com tudo!






Ingredientes:

330 g de farinha de trigo branca
220 g de farinha de trigo integral
110 g de açúcar moreno
240 ml de óleo de girassol
240 ml de xarope de limão (resultante das cascas de limão cristalizadas que fiz segundo esta receita)
1 colher de chá de aguardente
1 colher de chá rasa de canela em pó
2 colheres de chá bem cheias de gengibre em pó
1 colher de chá de sal fino
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Glacé

150 g de açúcar em pó
4 colheres de chá de açúcar dourado (ou outra decoração a gosto)
4 colheres de sopa de leite de soja


Numa taça de vidro, juntar as farinhas, o bicarbonato, a canela, o gengibre e o sal.

Bater o óleo com o açúcar. Adicionar o xarope de limão e a aguardente. Bater bem.

Ir adicionando a farinha, batendo bem entre cada adição.

Colocar a massa na taça de vidro usada previamente, cobrir com película aderente e levar ao frigorífico 2 horas e meia.

Colocar duas folhas de película aderente sobre a bancada, parcialmente sobrepostas. Por cima, colocar a massa e tender com o rolo até obter a altura desejada (não demasiado fina, porque esta massa é molinha).

Cortar as bolachas com o cortador em forma de estrela. Colocar em tabuleiros forrados com papel vegetal e levar ao forno a 180º durante 10 minutos.

Deixar arrefecer. Quando estiverem frias, juntar os ingredientes para o glacé. Com uma colher, decorar as bolachas e deixar secar bem a cobertura antes de guardar.





domingo, 15 de dezembro de 2013

Paté de tomate seco

No site Vegana, encontrei esta pasta de tomate seco, que resolvi experimentar. Fica um paté vegan com uma consistência e sabor muito agradáveis, excelente para festas. Liga muito bem com as bolachas de água e sal com sementes.




Ingredientes:

100 g de castanha de caju (neutro)
40 g de tomate seco
1 dente de alho
2 colheres de sopa de salsa
1 1/2 colher de sopa de sumo de limão
1 colher de sopa de azeite
Pimenta
Sal


Lavar bem o caju e escorrer. Colocar numa caixa, cobrir com água e tapar. Noutro recipiente, fazer o mesmo com o tomate seco. Levar ambos ao frigorífico pelo menos uma hora.

Passado esse tempo, colocar o caju e metade dos tomates no liquidificador. Juntar o azeite, o limão e cinco colheres de sopa de água. Bater até obter uma pasta homogénea.

Picar o alho e o restante tomate bem fino. Juntar à pasta, bem como a salsa. Temperar com sal e pimenta.

Servir com pão ou bolachas de água e sal sem lactose.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Bolo de moscatel com laranja

Vi este bolo no Cocinando con las chachas e achei que era uma ótima ideia! O sabor do moscatel fica a matar com a laranja e dá ao bolo um sabor agradável.




Ingredientes:

200 ml de Moscatel de Setúbal Adega de Palmela 2011
200 g de farinha de trigo integral
50 ml de azeite
3 ovos
100 g de açúcar amarelo
Raspa de uma laranja
1 colher de chá de fermento

Bater os ovos com o açúcar até obter um creme. Adicionar o moscatel e o azeite.

A seguir, juntar a raspa da laranja, continuando a bater.

Finalmente, juntar a farinha e o fermento e bater até formar bolhas.

Colocar numa forma de bolo inglês e levar ao forno a 180º durante 35 minutos.


sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Gratinado de lentilhas, cogumelos e espinafres

Um gratinado vegetariano que faz um almoço consistente, excelente para levar na marmita, já que dispensa acompanhamento.




Ingredientes:

1,2 kg de batatas
130 g de lentilhas laranja
165 g de lentilhas castanhas
240 g de cogumelos brancos
190 g de espinafres congelados
2 cebolas
4 dentes de alho
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de vinho tinto
1 colher de sopa de amido de milho
1 malagueta
2 folhas de louro
3 colheres de chá de tomilho fresco
Azeite
Sal
Pimenta


Laminar as batatas finamente.

Colocar as lentilhas a cozer com um litro de água e um pouco de sal.

Refogar a cebola em rodelas e os alhos picados no azeite, juntamente com as folhas de louro e a malagueta picada.

Quando a cebola estiver dourada, acrescentar os cogumelos em lâminas. Deixar cozinhar.

Entretanto, quando as lentilhas já estiverem cozidas, acrescentar à panela os espinafres e deixar cozinhar até estarem completamente descongelados.

Juntar então o amido de milho e deixar espessar, mexendo sempre. Quando espessar, juntar as cebolas com os cogumelos, o molho de soja, o vinho tinto e duas colheres de chá de tomilho. Envolver bem, temperar com sal e pimenta e verter a mistura num prato fundo de ir ao forno.

Por cima, dispor as batatas laminadas. Regar com um fio de azeite, salpicar com sal e espalhar por cima o restante tomilho.

Levar ao forno a 200º durante 1 hora.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Couve lombarda e cogumelos carilados

Um jantar rápido para uma noite em que não estava com grande paciência para cozinhar. E afinal saiu uma mistura deliciosa, que certamente vai ser repetida cá em casa!





Ingredientes:

1/2 couve lombarda
12 cogumelos brancos
1 cebola grande
4 dentes de alho
1 malagueta
1 colher de chá de pó de caril
2 colheres de sopa de sumo de lima
4 colheres de sopa de coentros picados
2 ovos
Azeite
Sal
Pimenta branca


Picar a cebola e os alhos e refogar no azeite. Quando estiver transparente, juntar a couve cortada em juliana e a malagueta picada. Tapar, baixar para lume brando e deixar cozinhar até a couve murchar.

Juntar os cogumelos em fatias, o sumo de lima e o caril. Envolver e deixar cozinhar até os cogumelos libertarem a sua água. Retirar do lume e acrescentar os coentros picados. Temperar com sal e pimenta.

Dividir a mistura entre dois pratos e fritar os ovos na mesma frigideira. Colocar um ovo por cima de cada prato.

Servir com arroz basmati.


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Bolo de banana

Um bolo muito apreciado por uma amiga que faz anos nesta altura, por isso fiz dele a sua prenda de aniversário. Usei como base a receita deste site brasileiro e funcionou muito bem. A massa em si não é muito doce, mas conjuntamente com o açúcar natural da fruta encontra um bom equilíbrio.




Ingredientes:

2 ovos
120 g de açúcar amarelo
100 ml de óleo de girassol
200 ml de leite de amêndoas (caseiro, segundo esta receita)
255 g de farinha de trigo integral
1 colher de chá de fermento
3 bananas grandes bem maduras
1 colher de chá de açúcar branco
1 colher de chá de canela


Bater os ovos com o açúcar e o óleo até formar um creme.

Juntar o leite de amêndoas, continuando a bater. Em seguida, acrescentar aos poucos a farinha e o fermento e bater até formar bolhas.

Cortar as bananas longitudinalmente. Cobrir o fundo de uma forma redonda com papel vegetal. Pincelar com óleo de girassol e salpicar com o açúcar branco.

Por cima, distribuir as fatias de banana de modo a cobrir o fundo. Salpicar com a canela.

Verter a massa por cima das bananas e levar ao forno a 190º durante 30 minutos.


quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Salteado de peru com castanhas

Aproveitando as castanhas, que estão tão doces este ano, congeminei este salteado com bifes de peru. A combinação ficou a matar, com o vinho do Porto a dar um toque especial ao molho.




Ingredientes:

300 g de bifes de peru
200 g de couve lombarda
15 castanhas cozidas e descascadas
1 cebola
4 dentes de alho
100 ml de vinho do Porto
100 ml de nata de soja
1 folha de louro
Azeite
Sal
Pimenta


Cortar os bifes em tiras. Cortar a couve em juliana. Picar a cebola e os alhos.

Refogar a cebola e os alhos picados num fio de azeite. Quando estiverem dourados, acrescentar a couve e a folha de louro e deixar cozinhar tapado e em lume brando durante 15 minutos.

Adicionar o vinho do Porto e deixar cozinhar mais cinco minutos. Juntar então a carne, envolver bem e deixar cozinhar 15 minutos.

Juntar as castanhas grosseiramente desfeitas e deixar cozinhar mais alguns minutos, para os sabores casarem.

Acrescentar a nata de soja até começar a fervilhar. Retirar do lume e temperar com sal e pimenta.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Pão cinco grãos

Descobri mais um site sobre pão! O Bread Experience é um site cheio de receitas e dicas fantásticas para quem usa o isco para fazer pão. Nas minhas voltinhas, descobri esta receita, que resolvi experimentar, com algumas adaptações.




Noite do primeiro dia:

120 g de isco de centeio
50 g de farinha de centeio integral
150 g de farinha de centeio
205 g de água tépida


Misturar tudo numa taça de vidro e deixar repousar, tapado com um saco de plástico, durante 12 horas.


Manhã do segundo dia:

Mistura do dia anterior
60 g de flocos de centeio integral
35 g de sementes de girassol
45 g de sementes de linhaça
90 g de farinha de trigo branca
350 g de farinha de trigo integral
1 colher de sopa de mel
7 g de sal fino
200 g d água tépida


Partir grosseiramente as sementes de girassol e de linhaça. Misturar as sementes partidas, os flocos, o sal e as farinhas, abrindo uma cova no meio.

À mistura do dia anterior, adicionar a água e o mel. Misturar bem.

Verter este líquido na cova aberta nas farinhas, tapar com a farinha que fica nas margens e deixar repousar dez minutos, tapado com um pano.

Bater na batedeira profissional à velocidade 2 durante 8 minutos.

Lavar a taça de vidro usada no dia anterior, untar com azeite e colocar a massa. Virar para ficar coberta de azeite. Tapar com o saco de plástico e deixar repousar 3 horas.

Ao fim desse tempo, dar umas voltar na massa para tirar o gás que entretanto se terá formado e dividir em duas bolas de tamanho igual.

Achatar uma das bolas formando um retângulo. Virar uma das extremidades até ao meio, fazendo o mesmo com a segunda. Virar ao contrário, deixando a "costura" para baixo, e dar uma forma oblonga. Repetir para a segunda bola de massa.

Colocar os dois pães num tabuleiro forrado com papel vegetal. Tapar com um pano limpo húmido e deixar levedar mais 4 horas.

Ao fim desse tempo, dar um corte no centro com uma faca bem afiada e levar ao forno a 230º durante 10 minutos. Ao fim desse tempo, baixar para 200º e deixar cozer mais 35 minutos. Desligar o forno e deixar o pão no interior mais 10 minutos para terminar a cozedura.

Retirar e deixar arrefecer antes de fatiar.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Enchiladas de beringela e camarão

Parti de uma receita do Tide and Thyme e de uma beringela a pedir destino urgente para chegar a estas enchiladas. Pela primeira vez, preparei as tortilhas em casa; ficaram um pouco grossas, mas serviram o propósito.




Ingredientes:

Tortilhas (segundo a receita do livro México, de Ignacio Medina)

250 g de farinha de trigo branca
50 g de farinha integral
30 g de banha de porco

Recheio

125 g de miolo de camarão
1 beringela
1 cebola
3 tomates
1 malagueta
1 colher de chá de orégãos
1 colher de chá de pimentão doce
1/2 colher de chá de alho em pó
Sal
Pimenta
Azeite

Molho

100 ml de nata de soja
2 colheres de sopa de maionese light
3 dentes de alho picados
5 g de folhas de hortelã fresca picada
Sal


Para as tortilhas, juntar as farinhas numa taça de vidro e abrir uma cova no meio. Aí, colocar a banha de porco e 200 ml de água quente. Ir juntando com uma colher de pau, até obter uma massa que se possa pegar com as mãos. Amassar alguns minutos e deixar repousar, tapado com um pano, durante 15 minutos.

Ao fim desse tempo, amassar mais 5 minutos e dividir em seis partes iguais. Colocar uma folha de película aderente na bancada e por cima uma bola de massa. Cobrir com outra folha de película bem esticada e espalmar com o fundo de uma panela até obter uma circunferência bem fina.

Aquecer uma frigideira anti-aderente e cobrir o fundo com a tortilha. Dar a volta assim que as extremidades começarem a secar e deixar cozinhar do outro lado.

Repetir a operação para as restantes tortilhas e mantê-las envoltas num pano limpo até ao momento de as usar.

Picar a beringela com um garfo e levar ao forno a 220º durante 40 minutos. Quando estiver bem tenrinha, retirar do forno e deixar arrefecer um pouco.

Descascar. À polpa, juntar os oregãos, o pimentão e o alho em pó.

Refogar a cebola cortada em meias luas num fio de azeite. Quando estiver transparente, adicionar o tomate cortado aos cubos, juntamente com a malagueta.

Deixar cozinhar 15 minutos, após o que se junta a beringela e o camarão. Cozinhar em lume brando mais dez minutos. Retirar do lume e temperar com sal e pimenta.

Escorrer o excesso de líquido para uma taça e reservar. Usar a mistura restante para rechear as tortilhas, dividindo irmamente pelas seis; fechá-las e colocá-las num tabuleiro de ir ao forno. Regar com o líquido. Levar ao forno a 200º durante 20 minutos.

Entretanto, juntar todos os ingredientes para o molho e mexer bem.

Retirar as tortilhas do forno e cobrir com o molho. Servir quente.

sábado, 30 de novembro de 2013

Torta de chocolate, pêra e gengibre

Durante anos, disse sempre "consigo fazer tudo na cozinha menos enrolar tortas". As minhas experiências com tortas, doces ou salgadas, correram sempre mal - no momento de enrolar, partiam-se todas. Lembro-me particularmente de um brazo de gitano que acabou como triffle. O sabor estava lá, mas partiu-se todo, o recheio não tinha a consistência desejada e portanto acabou em taças, como doce de colher. Comeu-se todo, e alegremente, mas de torta não tinha nada.

Até que a Moira da Tertúlia de Sabores anunciou que ia fazer um passatempo de aniversário. E como eu gosto muito do blogue, candidatei-me logo a participar. Mas quando soube que o desafio eram tortas... confesso que desanimei. Expressei o meu desânimo à Moira, que rapidamente me deu várias dicas e me motivou a tentar. Se a blogosfera serve para alguma coisa, é para partilhar e ir além daquilo que já conhecemos, certo? Certo!!!

Vamos lá então. A primeira tentativa saiu gorada (de novo!). Mas voltei a tentar uma segunda vez. E desta vez consegui enrolar a maldita!




Ingredientes:

Massa

4 ovos
60 g de açúcar amarelo
40 g de cacau
15 g de farinha de trigo integral

Recheio

800 g de pêra rocha (de preferência bem madura)
12 g de gengibre fresco
105 g de açúcar amarelo


Começar pelo recheio. Numa panela anti-aderente, juntar o açúcar e um fio de água (muito pouco, só para ajudar a caramelizar). Levar ao lume até obter ponto de estrada e juntar a pêra, descascada, descaroçada e cortada aos cubinhos pequenos, bem como o gengibre, em lascas finas. Envolver bem e deixar cozer em lume médio.

Quando a água estiver em grande parte evaporada, baixar para lume brando e deixar cozinhar mais 10 minutos. Triturar com a varinha mágica e deixar arrefecer.

Entretanto, preparar a massa. Bater as gemas com o açúcar. Acrescentar o cacau e a farinha e bater bem.

Bater as claras em castelo bem firme e envolver na mistura anterior.

Forrar um tabuleiro de ir ao forno com papel vegetal. Untar com óleo de girassol e verter a massa.

Levar ao forno a 190º durante 15 a 17 minutos.

Retirar do forno e virar a torta para cima de um pano de cozinha. Espalhar 200 g do doce de pêra e gengibre e enrolar com cuidado, com a ajuda do pano.

O que sobrar do doce, podem comê-lo com pão ao pequeno almoço! Uma delícia!



O interior e o recheio

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Bolachas de grão, amêndoa e chocolate

Mais uma receita original do Knead to Cook, adaptada aos sabores cá de casa! Sem farinha, estes biscoitos ficam com uma textura suave e saborosa. A massa base fica muito pouco açucarada, por isso as pepitas de chocolate são essenciais para equilibrar o conjunto.






Ingredientes:

270 g de grão de bico cozido
40 g de miolo de amêndoa sem pele
1 colher de sopa de óleo de girassol
125 g de flocos de aveia
70g de mel
100 g de chocolate preto (sem lactose)
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1/2 colher de chá de fermento
1 colher de chá de aroma de baunilha


Moer a amêndoa até obter farinha. Triturar o grão até obter um pasta. No almofariz, partir o chocolate em pepitas.

Misturar todos os ingredientes.

Forrar tabuleiros de ir ao forno com papel vegetal. Formar bolinhas, dispor nos tabuleiros e achatar com as costas de uma colher.

Levar ao forno 190º durante 18 minutos.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Æblekage ou Delícia de Maçã

Estamos a preparar-nos para a nossa viagem a Copenhaga no próximo carnaval! Isso faz com que esteja neste momento em grande atividade internética, pesquisando receitas, restaurantes e outras coisas giras ligadas com a gastronomia dinamarquesa.

E nessas pesquisas, dei com esta sobremesa, que me pareceu indicadíssima para o desafio de aniversário da Isabel do Emoção às Colheradas.





Ingredientes:

475 g de maçã vermelha
100 g de pão ralado (sem lactose)
70 g de açúcar branco
Sumo de 1 limão
2 colheres de sopa de mel
50 g de miolo de avelã
1 colher de chá de açúcar em pó
3 colheres de sopa de claras em castelo
1 colher de chá de aguardente velha


Numa panela anti-aderente, colocar o açúcar branco e o pão ralado. Levar a lume brando, mexendo com frequência, até escurecer, sem deixar queimar.

Tostar as avelãs numa frigideira anti-aderente. Colocá-las num pano e esfregar para tirar a casca. Partir o miolo já sem casca, num almofariz. Se desejar, pode tostar mais um pouco, com cuidado para não deixar queimar.

Descascar e descaroçar as maçãs. Cortar em cubos e colocar numa frigideira anti-aderente. Misturar o sumo de limão com o mel e verter sobre a fruta. Levar a lume médio durante 10 minutos. À medida que a maçã vai cozendo, esmagar com a colher de pau.

Adicionar a aguardente e deixar cozinhar em lume brando mais 5 minutos.

Triturar até obter um puré. Juntar o açúcar em pó e deixar arrefecer.

Quando estiver frio, juntar as claras em castelo e envolver com cuidado.

Numa taça transparente, colocar uma camada de puré de maçã, uma colher de sopa de pão ralado e algumas avelãs. Repetir até terminar os ingredientes, terminando com o pão ralado e as avelãs tostadas por cima.

Levar ao frigorífico uma hora antes de servir. Rende três taças.





quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Baozi ou bolinhos chineses recheados

Novo desafio do Bake The World, que não poderia deixar passar! Já deixei passar dois desafios super interessantes, um deles o pan de muerto (podem ver aqui o roundup) que teria ficado a matar no halloween, mas a única tentativa que fiz saiu gorada (aventuras de quem usa isco selvagem...) e não tive tempo de voltar a tentar.

Mas desta vez, quando vi que o desafio de novembro eram os baozi, não podia ser mais adequado! Quem lê regularmente o blogue, sabe já que vivi alguns anos da minha infância em Macau, portanto a comida chinesa é algo muito familiar para mim. Sou muito seletiva em relação aos restaurantes chineses que frequento e aqueles que me convencem em Lisboa são famosos pelos seus dim sun - uma espécie de petiscos chineses, a maior parte deles cozidos a vapor, que são servidos como pequeno-almoço reforçado (o que hoje em dia está na moda chamar-se um brunch, mas que na China é muito antigo). Os baozi fazem parte desse conjunto de receitas e são absolutamente deliciosos!

Utilizei a receita do No Recipes, mas adaptei-a à utilização do isco selvagem; dá mais trabalho e leva mais tempo, mas hoje em dia já nunca uso fermento industrial para confecionar qualquer tipo de pão cá em casa. Estes não foram exceção! A massa ficou fenomenal e o recheio de ir ao céu e voltar!






Noite do dia anterior:

47 g de isco de trigo
95 g de farinha de trigo branca
95 g de água tépida


Misturar tudo numa taça de vidro, tapar com um saco de plástico e deixar repousar durante 12 horas à temperatura ambiente.


Manhã do próprio dia:

Mistura do dia anterior
500 g de farinha de trigo branca
87 g de açúcar branco
1 colher de chá de fermento
2 colheres de sopa de óleo vegetal
150 g de água tépida


Misturar a farinha com o açúcar e o fermento. Abrir uma cova no meio e verter aí o óleo.

Adicionar a mistura do dia anterior e a água.

Bater na batedeira profissional com a vareta de amassar à velocidade 2, durante 8 minutos, até obter uma massa elástica.

Lavar a taça de vidro usada no dia anterior, untar com óleo vegetal e colocar a bola de massa. Tapar com o saco de plástico e deixar repousar 2,5 horas.

Dar umas voltas à massa e dividir em quinze bolas de tamanho igual. Dispor num tabuleiro forrado com papel vegetal, com espaço entre elas para não pegarem. Tapar com um pano húmido e deixar repousar mais 2,5 horas.


Recheio:

200 g de barriga de porco
150 g de carne de porco picada
1 cebola
70 g de alho francês (da parte branca)
3 cogumelos chineses secos
20 g de raiz de gengibre fresca
1 colher de sopa de óleo de sésamo
2 colheres de sopa de molho de ostra
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de aguardente
2 colheres de chá de açúcar branco
2 colheres de sopa de fécula de batata
1 clara de ovo


Cortar a barriga de porco em fatias finas e depois picar em pedacinhos pequenos.

Hidratar os cogumelos em água a ferver durante 20 minutos. Retirar, passar por água e picar em pedaços pequenos.

Picar finamente a cebola e o alho francês e gratinar o gengibre.

Refogar a cebola e o alho francês no óleo de sésamo até a cebola ficar transparente. Retirar do lume e deixar arrefecer completamente.

Numa taça, juntar a carne de porco, a barriga de porco, a cebola e o alho francês refogados, os cogumelos picados, o gengibre ralado, o molho de ostra, a aguardente, o molho de soja, a fécula de batata e a clara de ovo. Temperar com pimenta e misturar com as mãos.

Com a folha de papel vegetal onde estão as bolinhas de massa, formar quadrados, que possam colocar-se no cesto de cozer a vapor.

Agarrando um quadrado com a bola no centro, tender com o rolo até obter um disco fino. Colocar uma porção de recheio no centro e fechar (como se mostra aqui).

Dispor no cesto de cozer a vapor, deixando espaço para os pãezinhos crescerem. Repetir a operação para cada bolinha.

Colocar no wok alguma água e levar a ferver (não colocar demasiada água, esta não pode atingir os pãezinhos). Quando estiver a fervilhar, baixar o lume e colocar o cesto. Colocar por cima um pano húmido, de modo a impedir que o vapor se escape ou que pingue para cima da massa, e por cima a tampa do wok. Virar as pontas do pano para cima da tampa, para evitar que pegue fogo.

Cozer durante 16 minutos. Servir com molho de soja light.



O interior, com um recheio divinal



terça-feira, 26 de novembro de 2013

Suflé de alho francês com mostarda

Esta receita é um aproveitamento das claras que tinha congeladas. Faz um suflé leve e saboroso, com bastante menos calorias do que a sua versão normal. Faz uma bela entrada, em ramequins individuais, ou um delicioso acompanhamento. Ou porque não, o prato principal numa refeição leve.




Ingredientes:

300 g de alho francês (parte branca)
4 claras
1 colher de chá de mostarda
2 colheres de sopa de nata de soja
Sal
Pimenta
Azeite

Num fio de azeite, refogar o alho francês cortado às rodelas.

Quando começar a murchar, adicionar a mostarda e envolver.

Quando o alho francês estiver cozido, desligar o lume e juntar a nata de soja. Temperar com sal e pimenta.

Bater as claras em castelo. Envolver com cuidado.

Levar ao forno em forma ou ramequins untados com azeite a 200º durante 23 minutos.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Pão de espelta e mel de cana - Spelt and treacle bread

Para o Bread Baking Day # 62, o desafio é escolher um dos pães confecionados por ocasião do World Bread Day. Foram muitos os países que participaram e muitas receitas fantásticas desfilaram, pelo que tive bastante dificuldade em escolher! Mas acabei por optar por este pão de espelta e mel de cana do Ma Petite Boulangerie.

Bread Baking Day #62 is entitled Bread Baking Day meets World Bread Day and invites us to choose one bread from the roundup of WBD. Many countries participated and there were lots of excellent recipes to choose from, so the task was hard! I finally decided for this spelt and treacle bread from Ma Petite Boulangerie.




Noite do primeiro dia:

120 g de isco de trigo integral
200 g de farinha de trigo integral
210 g de água tépida


Juntar todos os ingredientes numa taça de vidro até obter uma mistura homogénea. Tapar com um saco de plástico e deixar repousar 12 horas.



First day - around dinner time

120 g wholewheat starter
200 g wholewheat flour
210 g lukewarm water

First step - feed the starter. Mix everything in a big glass bowl. Let it rest on the kitchen table, covered with a plastic bag, for about 12 hours.




Manhã do segundo dia:

Mistura do dia anterior
200 g de farinha de trigo branca
300 g de farinha de espelta
7 g de sal fino
20 g de mel de cana
200 g de água tépida
1 colher de sopa de óleo de girassol


Juntar o sal, a farinha de trigo e a de espelta. Envolver bem e abrir uma cova no meio.

À mistura do dia anterior, adicionar o mel de cana e a água. Misturar bem e verter na cova aberta nas farinhas.

Tapar com a farinha que fica nas margens, tapar com um pano e deixar repousar cinco minutos.

Bater na batedeira profissional à velocidade 2 durante 8 minutos.

Lavar e untar com óleo de girassol a taça usada no dia anterior. Colocar aí a massa, virando-a para ficar coberta de óleo. Tapar com o saco de plástico e deixar repousar 4 horas.

Dar umas voltas à massa com cuidado e dar-lhe a forma desejada.

Colocar a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal, tapar com um pano húmido e deixar repousar durante 4 horas.

Dar um corte na superfície do pão com uma faca afiada e levar ao forno a 230º durante 15 minutos. Baixar para 200º e deixar cozer mais 30 minutos. Desligar o forno e deixar o pão no interior a acabar de cozer mais 15 minutos.

Retirar e deixar arrefecer antes de fatiar.



Second day - early morning

Mix from the previous day
300 g spelt flour
200 g white wheat flour
20 g treacle
200 g lukewarm water
7 g salt
1 tablespoon of sunflower seed oil


Mix the water and the treacle with the starter from the previous day. Mix well with a wooden spoon.

Mix the flours and the salt. Open a pit in the middle of the flour mix and add the starter. Cover with the flour that remains on the sides and let it rest, covered, for about 5 minutes.

Knead the dough by hand or using the machine (speed 2 for about 8 minutes).

Wash the glass bowl and grease with sunflower seed oil. Put in the dough and make it go around so that it gets covered in oil.

Cover with the plastic bag and let it rest for about 4 hours.

After the resting time, gently fold the dough a couple of times and mold it to shape.

Put the dough in a baking sheet with parchment paper lining, cover with a damp cloth and let it rest for another 4 hours.

Make one cut on the loaf's surface with a sharp knife. Put it in the oven at 230º for about 15 minutes, then lower the temperature to 200º for 30 minutes more. Turn off the oven and let the bread rest inside for another 15 minutes.

Take the bread out of the oven and let it cool before cutting.

domingo, 24 de novembro de 2013

Folhado de espinafres e amêndoas

Os folhados são muito apreciados cá em casa. Esta é uma refeição vegetariana saborosa, que vale a pena experimentar!





Ingredientes:

230 g de massa folhada (sem lactose)
180 g de espinafres cozidos (pesados depois de cozidos e escorridos)
70 g de amêndoa laminada
150 ml de caldo de legumes
1 cebola
3 dentes de alho
1 pimento verde pequeno
1 tomate
2 colheres de sopa de polpa de tomate
1/2 colher de chá de baharat (ver aqui a receita caseira)
Azeite
Sal
Pimenta
Piri-piri


Refogar a cebola e o alho num fio de azeite. Quando estiver transparente, juntar o pimento e o tomate, cortados em cubinhos, e a polpa de tomate. Deixar refogar em lume brando durante 15 minutos.

Adicionar os espinafres, a amêndoa, o baharat e o caldo. Envolver bem e deixar fervilhar dois minutos. Retirar do lume e temperar com sal, pimenta e uma pitada de piri-piri.

Untar uma forma com azeite e colocar aí a massa folhada, estendida em círculo.

Colocar a mistura no centro da massa folhada. Fechar num rolo. Virar, de modo a deixar a "costura" para baixo.

Levar ao forno a 200º durante 30 minutos.

sábado, 23 de novembro de 2013

Frango com limão e azeitonas

A cozinha marroquina é uma das minhas paixões (tenho muitas, não sou esquisita!). Já vos mostrei aqui várias receitas que fazem parte desse universo gastronómico, nomeadamente a confeção dos famosos limões em conserva, os quais são essenciais para muitos destes pratos.

Esta receita de frango é muito requisitada cá em casa e é mais uma utilização deliciosa desses limões. Vem, como é habitual, do livro The Food of Morocco, de Tess Mallos.




Ingredientes:

1 frango cortado em pedaços pequenos
100 g de azeitonas verdes
3/4 de limão em conserva
1 cebola grande
3 dentes de alho
600 ml de caldo de galinha
1/2 colher de chá de gengibre em pó
1 colher de chá de canela
2 folhas de louro
Meia dúzia de fios de açafrão
3 colheres de sopa de coentros picados
Azeite
Sal
Pimenta


Passar os quartos de limão por água. Retirar a polpa e descartar. Cortar a casca em tiras finas.

Passar as azeitonas por várias águas para retirar o excesso de sal. Picar em rodelas.

Aquecer um fundo de azeite numa panela e dourar os pedaços de frango. Quando estiverem dourados de todos os lados, retirar e transferir para um prato de ir ao forno.

Juntar à panela a cebola e os alhos picados, juntamente com as folhas de louro. Quando a cebola estiver bem dourada, adicionar então o caldo de galinha, o limão, as azeitonas e as especiarias. Deixar fervilhar durante 2 minutos. Temperar com sal e pimenta e verter o molho sobre o frango.

Levar ao forno a 200º durante uma hora, molhando a carne com o molho de vez em quando. Retirar do forno, salpicar com os coentros e servir com pão, cuscuz ou arroz.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Quadrados de limão e lima

Estes quadrados de limão e lima são uma adaptação do livro Allergy-Free Desserts (lembram-se do passatempo que decorreu aqui no blogue há uns meses?). Foi uma experiência bem sucedida, na procura incessante de novas receitas!

Estes quadrados não são exatamente bolos, mas também não são bolachas. São uma espécie de in-between delicioso, em que a massa se desfaz, lembrando a textura do crumble.




Ingredientes:

Base

155 g de farinha de grão
45 g de fécula de batata
130 g de farinha de tapioca
120 g de açúcar moreno
130 ml de óleo de girassol
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 colher de chá de fermento
1 pitada de sal

Cobertura

200 g de açúcar em pó
50 g de amido de milho
2 limões
3 limas
4 g de agar-agar



Para a base, juntar todos os ingredientes, misturar bem.

Numa forma retangular, espalhar a mistura e calcar bem com as mãos. Levar ao frigorífico durante 20 minutos.

Passado esse tempo, picar com um palito e levar ao forno a 180º durante 20 minutos. Retirar do forno, sem o desligar, e deixar amornar.

Entretanto, preparar a cobertura. Raspar a casca de um limão e de uma lima. Espremer o sumo dos citrinos, obtendo cerca de 210 ml de sumo.

Juntar a raspa e o sumo com os restantes ingredientes numa panela anti-aderente, adicionando 150 ml de água. Levar a lume médio, mexendo sempre, até começar a espessar. Baixar o lume para lume brando e continuar a cozinhar, não deixando de mexer, durante 4 minutos.

Espalhar o creme de citrinos sobre a base. Voltar a levar ao forno mais 30 minutos.

Retirar, deixar arrefecer, salpicar com açúcar em pó e cortar em quadrados.

Guardar no frigorífico.







quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Assado de lentilhas e bulgur

Tirei esta receita do One Green Planet e confecionei-a, com algumas adaptações. Faz uma nutritiva e saborosa refeição vegetariana.




Ingredientes:

155 g de lentilhas castanhas
135 g de bulgur
50 ml de polpa de tomate
100 g de flocos de aveia
3 colheres de sopa de molho de soja
2 colheres de sopa de sementes de chia
1 colher de sopa de sementes de girassol
1 colher de chá de alho em pó
2 colheres de chá de mel de cana
1 folha de louro
1/2 colher de chá de manjericão seco
1 colher de chá de oregãos
1 colher de chá de tomilho fresco
1/4 colher de chá de erva doce
2 colheres de sopa de azeite
Pimenta


Moer as sementes de chia e juntar quatro colheres de sopa de água. Reservar.

Moer as sementes de girassol e juntar o azeite. Reservar.

Cozer as lentilhas em 300 ml de água com a folha de louro. Quando a água tiver sido absorvida, retirar a folha de louro e triturar grosseiramente as lentilhas com a varinha mágica.

Demolhar o bulgur em água a ferver durante 15 minutos. Escorrer bem a água e juntar às lentilhas.

Adicionar todos os outros ingredientes. Colocar a mistura numa forma de bolo inglês e tapar com papel de alumínio.

Levar ao forno a 200º durante 30 minutos. Retirar o papel de alumínio e deixar cozinhar mais dez minutos. Após esse tempo, retirar do forno e deixar repousar dez minutos antes de desenformar.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Panquecas de alfarroba com caramelo de gengibre

Há vários meses, vi estas panquecas n'A Marmita Lisboeta e guardei para mais tarde experimentar. Um lanche de domingo que pedia um miminho especial foi a oportunidade perfeita - e o caramelo de gengibre deu-lhes o toque final!




Ingredientes:

2 colheres de sopa de farinha de alfarroba
6 colheres de sopa de farinha de trigo integral
2 colheres de sopa de açúcar amarelo
250 ml de leite de soja
2 colheres de sopa de sementes de linhaça
1/2 colher de chá de fermento
1 pitada de sal
Óleo qb

Caramelo

2 colheres de sopa de açúcar moreno
3 colheres de sopa de nata de soja
1/2 colher de chá de gengibre em pó


Moer as sementes de linhaça. Juntar quatro colheres de sopa de água e reservar.

Juntar todos os ingredientes sólidos e misturar bem. Adicionar a linhaça e o leite de soja. Bater até obter uma mistura homogénea.

Aquecer um fio de óleo numa frigideira anti-aderente. Colocar uma concha de sopa da mistura das panquecas e deixar fritar de um lado. Virar e fritar do outro. Reservar, mantendo quente.

Repetir a operação até acabar a mistura (rende 4 panquecas de tamanho médio).

Na mesma frigideira, colocar o açúcar moreno até derreter. Retirar do lume e adicionar a nata de soja, sem parar de mexer. Juntar o gengibre e envolver bem.

Dividir o molho pelas panquecas.

domingo, 17 de novembro de 2013

Bolo de batata doce com cobertura lima-limão

Mais um bolo sem glúten, cuja inspiração vem do BBC Good Food. Tinha duas belas batatas doces à espera de destino e apetecia-me fazer um bolo diferente do habitual. Ficou fantástico!




Ingredientes:

2 batatas doces (cerca de 500 g)
150 g de açúcar amarelo
150 ml de óleo de girassol
4 ovos
175 g de amêndoa sem pele
Raspa de um limão
Raspa de uma lima
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Cobertura

2 colheres de chá de sumo de limão
2 colheres de chá de sumo de lima
3 colheres de sopa de açúcar em pó


Cozer as batatas doces com a casca. Deixar amornar, retirar a casca e triturar a polpa com a varinha mágica, obtendo cerca de 400 g de puré de batata doce.

Moer as amêndoas.

Bater o açúcar com o óleo. Ir adicionando os ovos, um a um, sem deixar de bater.

Juntar a amêndoa moída e bater bem. No final, adicionar o puré, a raspa dos citrinos e o bicarbonato. Bater bem.

Verter para uma forma untada com óleo e levar ao forno durante 45 minutos a 180º.

Retirar do forno e deixar arrefecer antes de desenformar.

Misturar então os ingredientes para a cobertura e espalhar por cima do bolo.




sábado, 16 de novembro de 2013

Massa com feijão verde

É pouco comum publicar pratos de massa, embora apareçam com alguma frequência no cardápio cá de casa. Normalmente, é para nós uma forma de aproveitamento de restos ou então são massas simples, como esta. Mas ficou tão boa que achei que valia a pena partilhar a receita!




Ingredientes:

250 g de espirais integrais
210 g de feijão verde (arranjado como se fosse para sopa)
2 tomates
20 g de pinhões
20 g de folhas de manjericão fresco
1 colher de sopa de vinagre
1 colher de sopa de polpa de tomate
Azeite
Sal
Pimenta


Cozer o feijão verde. Moer os pinhões no almofariz.

Cortar o tomate aos cubos. Aquecer um fio de azeite numa frigideira e juntar o tomate. Deixar cozinhar dois minutos e adicionar o vinagre. Baixar para lume brando e deixar cozinhar durante 20 minutos.

Adicionar então a polpa de tomate. Triturar com a varinha mágica.

Juntar os pinhões e o manjericão picada. Deixar cozinhar mais três minutos.

Acrescentar o feijão verde e envolver bem. Temperar com sal e pimenta.

Cozer a massa al dente e juntar o molho.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

"Thins" de chocolate e menta

Conhecem aquelas bolachas muito finas e estaladiças que em inglês se chamam "thins"? Quando comia bolachas de pacote, as minhas preferidas eram as de gengibre! Estas bolachas de chocolate e menta, cuja inspiração veio do Not Guilty Pleasure (num dia em que tinha mesmo, mesmo, mesmo muita vontade de bolachas de chocolate) são exatamente isso - muito finas, estaladiças, com uma filigrana quase transparente. O delírio!






Ingredientes:

100 g de farinha de trigo integral
150 g de açúcar amarelo
100 g de chocolate preto (sem lactose)
75 ml de óleo de girassol
17 g de folhas de hortelã fresca
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 colher de chá de fermento
1 colher de sopa de sementes de linhaça
1 colher de sopa de leite de soja


Moer as sementes de linhaça e juntar duas colheres de água. Picar as folhas de hortelã finamente.

Derreter o chocolate em banho-maria, juntamente com o leite de soja e o óleo de girassol.

Juntar o chocolate derretido, a linhaça, a hortelã e os restantes ingredientes. Misturar bem com uma colher de pau.

Colocar colheres de massa em tabuleiros forrados com papel vegetal, deixando espaço entre elas porque se espalham bastante.

Levar ao forno a 180º durante 15 minutos.



quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Pastéis de atum e centeio

Estes pastéis foram inspirados nestes d'O Barriguinhas. Achei tanta graça à receita que não podia deixar de adaptar! Usei flocos e farinha de centeio, para procurar um toque diferente, e cá em casa foi um sucesso!




Ingredientes:

360 g de atum ao natural
1 cebola pequena
60 g de flocos de centeio
70 g de farinha de centeio
1 colher de sopa de salsa picada
1 colher de sopa de salva picada
1 ovo
100 ml de leite de soja
Sal
Pimenta
Azeite


Juntar todos os ingredientes menos o azeite. Misturar bem e temperar com sal e pimenta.

Colocar um fundo de azeite numa frigideira anti-aderente e colocar colheres de sopa da mistura. Fritar de um lado, depois fritar do outro.

Reservar os pastéis, mantendo quentes, e repetir para o resto da massa.


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

O primeiro aniversário e hambúrgueres de batata doce e grão

A primeira publicação que fiz neste blogue, intitulada Como descobri a intolerância à lactose, tem a data de 13 de novembro de 2012. No dia seguinte, publiquei O que é a intolerância à lactose?, e depois Dicas para ir ao supermercado quando se é intolerante à lactose. A partir de dia 16 desse mês, publiquei todos os dias, sem falhar um só dia, uma receita adequada para pessoas com essa intolerância alimentar. Portanto, hoje é dia de aniversário e não podia deixar de recordar como começou este blogue.

Na altura, passava um momento mais complicado em termos profissionais, que estava a deixar-me desmotivada. Perante esse momento mau, que obrigava a um trabalho de luto (sempre difícil de fazer, o raio do luto) socorri-me de várias coisas que me poderiam ajudar, e resolvi criar um blogue.

A inspiração veio em parte do livro The Kitchen Diaries, de Nigel Slater, que é um diário bem humorado e descontraído do que Nigel cozinhou durante um ano na sua casa - as suas receitas do dia-a-dia e também as confecionadas em ocasiões especiais. Então, o meu desafio para mim própria foi publicar todos os dias, sem falhar um, uma nova receita, durante um ano.

Faz hoje um ano que comecei. E o desafio foi cumprido. Teve a grande vantagem de me dar algo que só dependia de mim para ser bem sucedido, da minha criatividade, da minha dedicação e do meu empenho. Ajudou-me no meu luto (entretanto a fase má passou, ufa!), fez-me descobrir muitos blogues que adoro e que fui citando ao longo do ano, fez-me entrar em contacto com pessoas entusiastas, divertidas, generosas, fez-me experimentar muitas receitas novas, melhorar as minhas qualidades de fotógrafa amadora - resumindo, deu-me um gozo enorme.

No caminho, entrei em muitos passatempos, ganhei três lindos prémios, respondi a desafios engraçados, que me fizeram puxar pela cabeça, escrevi umas coisas acerca das minhas experiências, memórias, formas de encarar a vida, criei a página de facebook onde as pessoas vão acompanhando as minhas publicações, e estou muito contente com o que o blogue é hoje.

E acabou o ano, portanto acabou o desafio. Já não tenho o compromisso comigo própria de publicar uma receita por dia. Não significa que o blogue vá acabar, mas a partir de agora terá um ritmo mais livre. Mas conhecendo-me como me conheço, vai ser na mesma bastante frequente...


Hoje deixo-vos com mais uma versão de hambúrgueres vegetarianos, desta feita vindos do Cook Smarts, aromatizados com garam masala. Ficam divinais!




Ingredientes:

650 g de batata doce
310 g de grão de bico
115 g de ervilhas
1 cebola
3 dentes de alho
20 g de pimento vermelho
1 colher de chá de garam masala
Sal
Azeite


Cozer as batatas doces. Reduzir a polpa a puré, bem como o grão de bico.

Refogar a cebola, o alho e o pimento, picados finos, num fio de azeite. Adicionar o garam masala e as ervilhas e juntar à mistura anterior.

Fazer hambúrgueres (rende 12) e colocar no frio durante duas horas. Transferir para um tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno cerca de 35 minutos a 200º.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...